Del Rey fala sobre produzir Terrence Loves You com Mark Ronson e como conheceu The Weeknd em entrevista a Virgin Radio France

por / quinta-feira, 01 outubro 2015 / Publicado emEntrevistas

IMAGEM POST LDRA

Durante a semana de divulgação do álbum “Honeymoon” na Europa, Lana Del Rey concedeu uma entrevista a Virgin Radio francesa, onde ela fala sobre o novo álbum, qual faixa ela tentou produzir com Mark Ronson, como ela e The Weeknd se conheceram, além de contar como surgiu a canção High By The Beach e prometer uma música em francês no próximo álbum!

Ouça o áudio e acompanhe a tradução.


Virgin Radio: Bem, espero que todos estejam usando a hashtag #LanaDansLab, comentem a noite toda. Estamos aqui com uma personalidade incrível — é Lana que está com a gente essa noite. Olá, Lana, como você está?

Lana Del Rey: Bem, obrigada.

Bem-vinda a Paris, bem-vinda a Virgin Radio France. Nós te chamamos aqui hoje para falar do novo álbum que sai em alguns dias. Você sabe algumas palavras em francês?

Poderia ser… “Desolé”?

Sim, muito bom! Depois eu posso te ensinar algumas palavras. Estamos aqui para falar do álbum que está saindo, “Honeymoon”, que você pode fazer o download ou comprar. Quando se fala de Lana Del Rey, que vendeu milhões e milhões de álbuns, nós sabemos que, como sempre, todos amarão o álbum. Como você se sente depois do lançamento do álbum?

Essa é uma boa pergunta… Estou muito feliz, porque nem acredito que gravei um outro álbum. Para alguém como eu, a maior parte do que eu faço é muito voltado só para a música, então acho que faz sentido lançar muitas músicas, porque eu não viajo muito fazendo outras coisas.

Por que o título do álbum é “Honeymoon”?

A palavra simboliza a maior experiência romântica que alguém pode ter, e eu sou realmente romântica — eu amo Paris. Eu acho que o “Ultraviolence” foi muito autobiográfico e pesado, profundo, e “Honeymoon” foi mais psicodélico, e muito divertido de fazer.

Quais suas influências em “Honeymoon”?

Eu ainda estou com um forte senso de produção cinematográfica — sobre a música, ela começou com um pouco mais de jazz e depois passou para a ter mais batidas.

O que você acha que será surpreendente no novo álbum?

Essa pode parecer uma resposta ruim, mas eu não consigo pensar em nada sendo muito surpreendente, ele parece similar às últimas músicas que eu fiz.

O último álbum foi feito com Dan do The Black Keys e, dessa vez, quem produziu?

Acho que já faz mais de um ano, mas quando eu estava trabalhando com Dan, a música que eu trouxe pra ele já estava feita com Rick Nowels, com quem eu fiz canções antes, como Summertime Sadness e Young and Beautiful, e dessa vez deixei ele fazer a produção.

Você tem algum memória interessante sobre a produção do álbum?

Eu não tenho nenhuma boa história, mas houve um momento — quando achávamos que iríamos fazer um álbum de jazz — nós a tocamos para as pessoas e percebemos que deveria ter algo mais agitado. E eu lembro que, como trabalhávamos no litoral, nós tirávamos um tempinho e íamos à praia, o que era muito divertido.

Você pode nos falar a história de High by the Beach?

Essa foi a última canção que compus para o álbum e foi quando pensamos que precisávamos deixar o álbum mais animado, com batidas. E eu ficava dirigindo pela praia e imaginando como eu poderia deixar o álbum mais rápido sem perder a essência do que eu estava fazendo — então eu ficava pela estrada pensando no que fazer, e High By The Beach surgiu.

No clipe, você atira no helicóptero de um paparazzi. O que aconteceu?

Eu o matei! [risos] Eu amo filmar. High by the Beach foi digital, com um filtro.

Você sabe que a França te ama, e quando ouvimos Salvatore e você cantando em italiano, pensamos “por que não em francês?”.

[risos] Ok, eu sei, da próxima vez vai ser em francês. Alguma ideia do que eu poderia colocar em francês?

Você conhece Christine and the Queens?

Eu ouvi a música dela e achei muito boa, e sei que ela está fazendo turnê.

Se você pudesse descrever o novo álbum em três palavras, quais seriam?

Eu acho que… Romântico, luxuriante e jazzy. A única outra palavra que eu poderia pensar seria várias-etapas-diferentes-de-produção.

Você encontrou Mark Ronson? No que ele participou do álbum?

Nós tentamos fazer Terrence Loves You, mas ele tinha um grande single, e estava viajando por doze meses. Mas eu adoro os álbuns dele, claro.

A próxima canção em francês ele poderia produzir.

Ah, essa é uma boa ideia!

Outra colaboração foi com The Weeknd, o cantor canadense, por que você aceitou trabalhar com ele?

Ele realmente me ajudou no começo, antes de eu estar na rádio, no Reino Unido, ele estava sempre me ajudando com os vídeos caseiros, há uns quatro anos, e ele foi a primeira pessoa que veio até mim e veio falar comigo.

Você sentiu vontade fazer outras colaborações?

Isso não me fez sentir vontade de fazer outras colaborações, mas antes de fazer a participação com ele, eu já estava pensando nisso, em fazer outras coisas.

Após o lançamento do álbum e divulgação, você pretende fazer uma turnê mundial?

Eu não faço ideia do que estou fazendo, mas acho que provavelmente vou fazer turnê — na primavera.

Há muitas perguntas dos fãs para você, mas se essa noite você pudesse fazer uma pergunta aos fãs, qual seria?

O que é que os faz realmente se conectarem com a minha música?

Qual música do “Honeymoon” você escolheria em uma estreia do álbum?

Eu tenho que escolher? Eu acho que Music to Watch Boys to.

Por que essa?

Eu amo o começo dela, o acapella, e tem muitas camadas de produção.

Ok. Nós falamos sobre o lançamento de “Honeymoon”, muito obrigado Lana Del Rey por vir essa noite à Micro de Lab. Espero que nos vejamos de novo para falarmos de suas próximas colaborações francesas, planos de turnê, com grande prazer.

Muito obrigada!

Tradução por Carol P. Carrasco
Revisão por Cristine Sol e Raphaella Paiva


Confira em nossa galeria as fotos completas de Lana Del Rey na Virgin Radio:

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
TOPO