Confira o artigo do site Bustle sobre o curta-metragem ‘Tropico’ de Lana Del Rey

por / segunda-feira, 15 junho 2015 / Publicado emNotícias

Tropico

O site Bustle fez uma pequena análise do curta-metragem Tropico, lançado por Lana Del Rey em 2013. Confira a tradução do artigo a seguir


O que funcionou em Tropico de Lana Del Rey e o que não? Vamos revisitar o curta-metragem da cantora

Lana Del Rey é uma artista que tem centrado o seu trabalho em torno do que aparenta ser um ardente desejo de uma época em que ela não viveu. Até agora, a maioria dos fãs estão bastante familiarizados com o estilo dela – na verdade, é por isso que muitos a amam. Desde seus primeiros vídeos como Lizzy Grant até o seu álbum “Paradise“, Del Rey tem utilizado consistentemente imagens icônicas do passado (ou seja, testes de tela Clark Gable dos anos 30 , imagens do dia em que John F. Kennedy foi assassinado em 1963) no que agora se sente como um loop infinito de homenagem referencial. O ápice de suas tendências nostálgicas, porém, veio em 2013 com Tropico – curta-metragem resultante da colaboração de Lana Del Rey com o diretor Anthony Mandler.

Tropico destaca Del Rey e o modelo Shaun Ross como Eva e Adão, respectivamente. No vídeo, os dois vivem em um Jardim do Éden povoado por Marilyn Monroe, John Wayne, Jesus, Elvis  e unicórnios. São 30 minutos de imagens surreais tão confusas quanto resplandecentes. Pouco depois do lançamento de Tropico, Mandler explicou o significado do filme em várias entrevistas :

Nós estamos essencialmente recontando a criação do universo, no entanto começando com os ícones pop dos anos 50 e 60, que vai recalibrar qualquer sentido do que é normal. O que estávamos tentando transmitir era que Adão e Eva são abolidos a partir do jardim para este inferno na terra , onde ninguém realmente faz nada.

 

Embora os tons e temas existentes em Tropico sejam bastante semelhantes ao que o estilo de Del Rey é considerado geralmente, a vocalista de “Born To Die ” mais recentemente se afastou de tal uso pesado de nostalgia e iconografia americana no ano passado. Graças à sua colaboração com Dan Auerbach do The Black Keys, seu último álbum, Ultraviolence, visou menos o noir -chic, e mais a deusa do rock sombrio. Foi um sucesso de crítica , mas não parece Del Rey vai insistir nesse novo estilo: Em entrevista à Billboard, Del Rey afirmou que seu próximo álbum, Honeymoon, será um retorno a seus dias do Paradise (mais conhecido como o álbum que coincidiu com o lançamento de Tropico).

Dado que Del Rey está planejando voltar a essa época de sua carreira, pensei que seria um bom momento para olhar para trás em um dos seus maiores projetos daquela era. O que funcionou em Tropico, e o que não, e o que ela deve ter em mente se ela está pensando em trazer esse estilo de volta?

O que não funcionou em Tropico

Era pretensioso em alguns momentos

giphy (2)

Além de descrever os fundamentos do enredo, Mandler descrevia repetidamente seu estilo como “Fellini-esque” (Que, eu preciso dizer, é o tipo de coisa que você deveria deixar outras pessoas falarem sobre o seu trabalho, não o contrário). Agora, sim — Fellini é incrível. Mas ele também é o rei do cinema pretensioso. Del Rey já é inclinada para emoções excessivas de misericórdia — se juntando agora com alguém que tem as mesmas tendências pode parecer um tanto quanto exagerado.

Levou 30 minutos para falar o que poderia ser dito em 15

giphy (3)

Tropico fez algumas declarações realmente interessantes sobre fama, narcisismo e perda de inocência. Infelizmente, ele também fala… e fala… e fala um pouco mais. Na verdade, eu nunca estive disposto a assistir tudo de uma só vez; geralmente eu assisto em partes e tomo intervalos no meio que duram dias (e eu sou tipo, um GRANDE fã da LDR) — então eu acho que o vídeo poderia ter feitos as mesmas afirmações, mesmo que fosse um pouco mais curto.

O personagem que Lana Del Rey assumiu

cd2da550-f500-0132-44e7-0a2ca390b447

Lana Del Rey, eu quero que você ouça isso de alguém que realmente ama você e lhe deseja o melhor: você não é uma latina gangster em LA, você nunca foi, e você nunca será.

O que funcionou em Tropico

A especificidade emocional da Lana Del Rey

0a518780-f501-0132-f10d-0ed54733f8f5

A direção de Mandler é exorbitante, mas Del Rey (que foi quem escreveu o negócio todo) sabe exatamente o que ela quer transmitir em, literalmente, toda cena que ela está. Mesmo quando parece que o filme está se estendendo muito, é difícil tirar os olhos da Lana Del Rey.

Shaun Ross

ccf970b0-f500-0132-f10b-0ed54733f8f5

Exatamente a mesma coisa dita acima vale para Shaun Ross, a beleza inacreditável e intrigante que atua como parceiro celestial dela — o modelo executa seu papel extremamente bem e, assim como Del Rey, é difícil tirar os olhos dele.

Alguns de seus conceitos…

cd87ea80-f500-0132-44e5-0a2ca390b447

O vídeo possui muitas cenas desnecessárias? Sim. Em contrapartida, o negócio da Marilyn Monroe/Elvis/unicórnio é realmente eficaz — e encenar Del Rey como algo do tipo Eva-encontra-Virgem-Maria em um personagem acrescenta uma camada de dar calafrios para sua personalidade.

A música

A melhor parte de Tropico é sem dúvidas a música. É o CD de Lana Del Rey, Paradise, com as melhores faixas: “Body Electric,” “Gods and Monsters,” e “Bel Air” — sem mencionar a realização de maior sucesso do seu desejo de trazer suspense cinematográfico e tonalidades misteriosas protagonizando suas músicas. Se ela quiser trazer essa sensibilidade de voltar para suas canções eu estou totalmente dentro.

Uuuuma sugestão: Talvez para a próxima vez só escreva um clipe menor?

 

Por James Tison
Tradução por João Rodrigues
Revisão por Mateus Santana

 

Também fizemos uma análise incrível do curta-metragem Tropico e do EP Paradise. Você pode conferir clicando aqui.

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
  • Raphael Kaiston

    nao gostei parece q saiu do popline essas abobrinhas

TOPO