Biografia

001

Lana Del Rey, um mistério exuberante e que exala uma energia atemporal que vai além do vintage e atinge muito mais do que sentimentos que exigem significados muito adiante de tons de tristeza ou melancolia.

Nome real: Elizabeth Woolridge Grant
Nascimento: 21 de Junho de 1985.
Signo: Gêmeos (saiba mais aqui)
Cor dos olhos: Verde acinzentado
Altura: 1,69 m
Gravadora: Polydor/Interscope Records

IMAGEM POST LDRAa

Lana é filha de Rob Grant e Pat Woolridge, um casal de classe média/classe média alta. Possuindo descendência francesa por parte materna, a cantora é novaiorquina, morou na cidade de Lake Placid (interior do estado) durante sua infância e adolescência com os pais e os dois irmãos mais novos, Caroline (mais conhecida por Chuck e fotógrafa oficial da Lana) e o caçula Charlie.

A jovem, no entanto, teve problemas sérios com o álcool e indisciplina, faltando inúmeras vezes à escola e tornando-se viciada muito cedo. Então, aos 15/16 anos, seus pais a enviaram para um internato em Connecticut, onde ela se reabilitou e estudou por alguns anos.

“Eu estava no coral, queria cantar com todas as minhas forças e não sabia como.”

Cópia de 10247814_789184294460197_5563359797948401771_n

“Todos sabiam que nos divertíamos muito, estávamos faltando a escola e bebendo no trabalho […] Nós entramos em encrenca e, quando as coisas ficaram ruins, eu fui mandada embora; eu estava acenando na plataforma do trem, chorando porque eu sabia que nunca mais iria voltar” — This Is What Makes Us Girls

Durante esse tempo em Connecticut, Lana se inscreveu nas aulas de metafísica.  Foi o único assunto, além de literatura, que a interessou. Ela se aproximou de seu tio que tinha um cargo no internato, apresentando-a à beleza da literatura clássica e fazendo-a se apaixonar por “Lolita” e aprender a ouvir Tupac e tocar violão, além de apreciar deliciosamente os filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood.

Aos 18 anos, finalmente, Lana realizou seu sonho e se mudou para Nova York, ingressando na Fordham University onde estou Metafísica (uma das áreas de estudos de Filosofia) e se voluntariou em programas de reabilitação para mendigos e viciados em drogas e álcool.

E quando começou todo esse encanto pela música? Quando ela derrotou sua timidez e subiu ao palco do Lilo Lounge em Williamsburg, subúrbio de Nova York. Cantando uma balada lenta parecida com Video Games e de apenas 3 acordes, Lana deixou todos sem fala — fugindo do palco e do bar antes de sequer ser aplaudida.

Mas com o passar do tempo, foi impossível se desvencilhar desse mundo, e ela passou a cantar em pubs de Williamsburg e Lower East Side. E assim que conseguiu seu diploma, ela usou seus 10 mil dólares ganhos com seu primeiro contrato de gravação e comprou um trailer em Nova Jersey, onde morou por muito tempo e adorava decorar sua casa-móvel com fitas e luzes de Natal.

Cópia de 01

“Eu sou a rainha da dança de Nova Jersey, ele é um gangster em Saint King […] Eu sou a queridinha do parque de traileres” — Hundred Dollar Bill

“Você tem que me levar embora agora mesmo desse escuro parque de traileres […] Yayo, como agora, yayo.” — Yayo

Indo de Londres a Nova York, de Nova York para Miami e depois de volta a Londres… Foi assim que a cantora loira Lizzy Grant se transformou na bela ruiva chamada Lana Del Rey. E, ao contrário do que muitas fontes dizem, o pai da jovem é um empresário de internet e não um milionário que investiu seu dinheiro e contatos para a fama da filha.

Ela gravou um álbum (recolhido online pelos fãs e chamado de “Sirens”), depois gravou o “Lana Del Ray A.K.A. Lizzy Grant”, mas não obteve o sucesso e empenho real de sua gravadora. Até que fez um contrato que realmente tratou como a beauty queen da música atual e com traços urbanos e hipsters que seriam impossíveis ignorar.

Cópia de e6810106087cf0d227405c96106b9e8b

“Na época eu namorava com um cara de Delray Beach, na Flórida. Muitas das pessoas que moram lá lutam contra a dependência química e alcóolica. É uma comunidade exótica. Gostei muito. Gostei de como o ‘a’ soa suave em Lana, como em ‘Allah’ ou ‘Paradise'”

E no final de 2011, Lana lançou seu primeiro single de sucesso, o tão conhecido vídeo nostálgico, lento e maravilhoso de nome “Video Games”. E daí para o álbum ‘Born to Die’ foi um pulo. O sucesso estranhou a todos que estavam acostumados com o pop chiclete e o rock decadente da época, mas parece que o estilo “fodam-se as aparências atuais” e “devo fazer um hit, devo fazer um hit!” finalmente mudou para algo mais conceitual e, em anos, real.

Em 2012 o álbum de canções melancólicas e orquestrais ganharam um relançamento, o dito “Born to Die: The Paradise Edition” que pareceu apenas alavancar o sucesso surpreendente (e mesmo assim odiado por muitos que ainda se prendem à música “vendível”).

tumblr_mmkkluK6l81sp6362o1_1280

“Eu tenho viajado por tanto tempo, eu tenho tentado tanto com uma bela canção.” — Ride

Se a gravadora quis forjar uma aparência frágil e nostálgica para chamar atenção da mídia, se Lana Del Rey fez rinoplastia ou preenchimento labial, se ela é uma falsa melancólica que gosta de chamar atenção… Não sabemos onde a mentira começa e onde ela termina, mas sabemos que o talento da jovem novaiorquina é avassalador e está muito além de julgamentos e preceitos.

E foi assim que, em Junho de 2014, agora morena e com um estilo não mais sessentista e sim setentista à lá Janis Joplin, Lana Del Rey lançou o álbum “Ultraviolence” — muito mais do que uma Bíblia da nova era que parece imitar a Geração Beat. Aclamado, delicioso e com aquela obscuridade por trás da voz angelical da cantora, a obra é magnânima.

Cópia de 08

Seus álbuns e suas respectivas faixas sempre têm a visão extremamente respeitosa da Billboard, dando as melhores notas possíveis à arte de Lana Del Rey. E isso parece ser apenas uma extensão da pessoa maravilhosa que ela é.

A morena é conhecida por sua humildade e simplicidade que transcende tudo o que conhecemos atualmente como popstar. Ela adora conhecer seus fãs, abraçá-los, beijá-los nos lábios e descer no meio do show para cumprimentá-los ou simplesmente dar um “oi” entre uma música e outra para depois completar: “Eu te vi lá fora! Você ainda está bem?”. Um amor, uma doçura e uma gentileza elegante que contagia qualquer um.

Lana Del Rey, portanto, não é como muitas celebridades que colocam a si mesmas em um pedestal e mandam apenas um tchauzinho antes de entrar em seu conversível. Ela para e realmente gosta de conversar e agradecer a cada pessoa que ela pode chamar de seu fã. Até parece uma mix perfeito de sedução de Marilyn Monroe com candura de Audrey Hepburn. Mas é claro que ela sempre tem uma pitadinha apimentada de Bonnie Parker lá dentro do coração.

Ela merece todo o reconhecimento e carinho possível! Uma jovem que já passou por muitos altos e baixos, que mantém mistérios sobre suas relações amorosas passadas, possível usos de droga e uma compositora assídua sobre o amor e a alma. Uma jovem que lutou para estar onde está. Uma jovem que transborda sentimentos intensos e maravilhosos como faíscas de estrelas cadentes rasgando o céu.

Cópia de 04

“Minha vida é composta por perdas e vitórias e falhas e quedas.” — Money Power Glory

Essa é Lizzy Grant. Essa é a bela mulher que nos leva para paraísos na Terra. Essa, afinal, é Lana Del Rey.

TOPO