‘Começo a escrever para um novo álbum enquanto termino o anterior’, confira a entrevista de Lana Del Rey para a Rolling Stone México

por / domingo, 03 setembro 2017 / Publicado emEntrevistas

The sun

A revista Rolling Stone México conversou com Lana Del Rey por telefone no início deste mês e eles falaram um pouco sobre Lust For Life, o novo álbum da cantora. Confira a tradução a seguir.


A arte de crescer

Lana Del Rey afirma que somos donos
de nosso próprio destino em seu novo e
esperado álbum, ‘Lust For Life’.

Elizabeth Woolridge Grant está extremamente orgulhosa de ter nascido em Nova York e de viver no calor de Los Angeles, Califórnia. Desde sua primeira aparição na indústria da música portava bandeiras estadunidenses e falava sobre Hollywood. Hoje, deixou de usá-la em suas roupas e de implementá-la durante seus shows; não sente que seja respeitoso para outros países, dado o ambiente político atual. Segue orgulhosa de sua origem, mas não de quem governa seu país. Agora há coisas mais importantes para ela, como acreditar em seu trabalho e admirar as pessoas que a cercam.

Para seu quinto material de estúdio, Lust For Life, reuniu uma série de colaboradores próximos a ela, desde Stevie Nicks até A$AP Rocky, aceitando novos desafios. “Para mim não há descanso quando se trata de criar, começo a escrever para um novo álbum enquanto termino o anterior. Lust For Life mudou várias vezes nos dois últimos anos, no início pensei que ia estar cercado por uma vibe retrô mas ele se desenvolveu em algo com nuances mais profundas. Não estava tão acostumada a isso, em meus outros discos não editava muito as canções, durante este processo tudo se transformou rapidamente. Tinha muitas coisas pra contar“.

Com o título do álbum, que enaltece a luxúria, desejo ou amor pela vida, a cantora afirma que se entusiasma com as frases de três palavras: “O som que tem o título me encanta, o movimento. Tem sua própria suavidade. Sinto-o muito próximo ao Born To Die (2012), não tanto como uma resposta literalmente, mas terem a mesma quantidade de palavras e falarem da simples existência humana faz com que se complementem; ainda que sejam opostos“. E esse registro que conserva essa estética vintage – reproduzida uma série de vezes por outras artistas – e que a colocou no mapa do sucesso, mas que agora se concentra em celebrar a vida. Na faixa que dá nome ao CD, que conta com a participação de The Weeknd, sua nostalgia característica se dirige a lugares novos.

O disco foi como uma criança mimada e eu tive que deixar que fosse“, revela entre risadas. “No lugar de conservar a essência ou o conceito como tenho feito até então, permiti que ele fizesse o que queria. Creio que é um ponto alto em minha carreira e ao final não me deixou escolha a não ser sucumbir a ele“, confessa do outro lado da linha.

Ao falar dessa essência, a artista afirma que sempre se sentiu livre compondo e que jamais representou algo que tivesse que pensar muito, apesar de estar acostumada a trabalhar duro para alcançar os resultados que queria.

Nunca me dei conta de como era minha estética até que comecei a escrever fora dela. Quase tudo o que faço tem o mesmo tom ou batida, mas creio que com os temas novos poderia chegar a lugares com novas descobertas. Quando estava trabalhando neles estava segura de que poderiam evoluir até converterem-se em muitas coisas que desafiam o meu gênero“.

Entre 2011 e 2012, quando Lana Del Rey atingiu a fama, A$AP Rocky e The Weeknd também o fizeram, então, além de trabalharem juntos, eles são amigos.

The Weeknd é uma pessoa muito divertida, a princípio não sabia se queria contar com participações no disco, mas assim que decidi que sim, eles dois foram os primeiros a quem pedi ajuda para colaborar neste material. Lembro que Abel [The Weeknd] me ajudou a impulsionar minha música nas rádios no início de minha carreira, isso significa muitíssimo para mim“. Rocky, por sua vez, participou em duas músicas da nova produção da cantora: “Summer Bummer” e “Groupie Love”.

Da mesma maneira, Stevie Nicks emprestou sua voz para “Beautiful People, Beautiful Problems” e Sean Ono Lennon faz uma aparição em “Tomorrow Never Came”.

Nos dois últimos anos que Lana se dedicou a compor o que seria o Lust For Life, continuamente pensava sobre como seria levar essas músicas para o palco. “Você não tem ideia da emoção que tenho ao cantá-las ao vivo, acredito que serão divertidíssimas no palco, possuem uma energia especial e espero de verdade que as pessoas que me seguem gostem delas da mesma maneira que eu gosto. Foi um trabalho duro, na verdade não iam ser lançadas até abril, mas as coisas se acomodaram para que algumas fossem lançadas em fevereiro, o que fez a espera mais gentil. Lembro-me da última vez que estive em um palco no México e não sei se é porque vivo em Los Angeles e na verdade estamos muito próximos, mas sinto uma conexão forte com o público, estou emocionada em fazer a promoção do álbum na Cidade do México mais uma vez e em qualquer outro lugar que meus fãs me peçam“, assegura a intérprete.

 

Por Michelle Angell
Tradução por Mateus Santana

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
TOPO