Lana Del Rey fala sobre seus planos de fazer uma mixtape, uma turnê e os amigos que cantam em ‘Lust For Life’ ao site francês Purebreak Chart

por / domingo, 30 julho 2017 / Publicado emEntrevistas

Le eeeLana Del Rey concedeu uma entrevista ao site francês Purebreak Charts, na qual ela falou sobre felicidade, The Weeknd, A$AP Rocky, planos de fazer uma mixtape e uma possível turnê! Confira a tradução a seguir.


Lana Del Rey em entrevista: “O sucesso pode cicatrizar algumas feridas”

De passagem em Paris por causa do festival Lollapalooza, Lana Del Rey aceitou tirar um pouco do seu tempo para responder nossas perguntas da Pure Charts. A cantora fala sobre seu novo álbum “Lust For Life”, questiona-se sobre a felicidade e fala sobre tudo de sua carreira. Vamos à entrevista!

Entrevistar Lana Del Rey é como um sonho, um objetivo pessoal e profissional quase inatingível. Porque ela é rara e se mantém misteriosa desde o início de sua carreira. Encontrá-la é também um pequeno percurso de obstáculos, após muitos encontros desmarcados e uma longa espera na chuva. Mas uma vez que entramos no camarim da cantora, tudo isso evapora. Idolatrada merecidamente, Lana Del Rey é como uma sereia, tão irreal quanto fascinante de se observar. Sorridente, amigável e engraçada (ela se desculpa muito pela demora), ela não impõe nenhuma barreira e reflete longamente antes de responder nossas perguntas. Como se quisesse sempre ser verdadeira. Ela viaja, às vezes, muito longe em seus pensamentos, seu olhar muda instantaneamente e temos a impressão de compartilhar um momento raro. A entrevista é com uma artista gente como a gente e com muito a compartilhar.

Muitas pessoas ainda acreditam que você é alguém triste ou deprimida. Mas quando te vemos sobre o palco ou te conhecemos, é completamente o oposto. Te incomoda que prendam você à essa imagem?
Não porque eu acho que pedi por isso! Eu mereço. (Risos) Mas, sabe? Não é que eu estivesse triste antes e agora eu esteja feliz… É só que eu sou como todo mundo, e creio que há algumas coisas sobre as quais eu deva realmente seguir em frente. Não é o tema do álbum mas eu acho que ele tem… Mais energia. Ele transmite uma certa energia e as pessoas o sentem dessa forma. Tenho a impressão de que ele representa um passo na direção certa, para chegar em outro lugar. Não sei se ele é realmente feliz… Ele poderia ser diferente, de outra forma.

Mas você sorri na capa…
Sim, dei um grande sorriso! (Risos)

Esta é a primeira vez!
É verdade…

Impossível que seja uma coincidência…
Evidentemente, não. Eu queria que fosse assim, que eu exibisse um belo sorriso (ela sorri).

De qualquer forma, todo mundo está de acordo que Lust For Life é um álbum mais otimista, mais luminoso. O que realmente aconteceu em sua vida para que isso seja o caso, agora?
Então… Há um monte de coisas… Para ser honesta, não posso citar tudo. Meus álbuns refletem sempre meu estado de espírito no momento. (Ela reflete) Eu não teria mais que uma resposta muito vaga para isso. Eu diria que… Há pessoas de quem eu estou realmente feliz de ter me afastado. Me sinto verdadeiramente mais leve graças a isso. (Sorriso) E então eu tive algum tempo para seguir em frente, quando olho o que aconteceu comigo do colégio até agora. Evoluir levou mais tempo pra mim do que para os outros, acredito. E agora, me sinto capaz de refletir sobre tudo isso, para ser multi-dimensional.

E como você explica o fato de suas letras terem se tornado mais políticas?
Por esta razão também, eu acho. Tive tempo de cantar sobre mim mesma por muitos anos. Agora, posso parar, fazer uma pausa. Fiz 4 ou 5 álbuns. Neles, tive o luxo de ter tempo verdadeiramente para mim, de ler notícias, de escutar tudo o que se passava, e de sentir todas essas mudanças. E eu realmente as senti. Neste álbum, gastei 18 meses fazendo-o. Aconteceram muitas coisas durante este período e seria bizarro que eu não cantasse ao menos sobre alguns temas. Mesmo eu não tendo a impressão de que o álbum seja tão político assim. É que ele é mais…

Consciente?
Sim, exatamente! Ele apenas não evita tudo o que aconteceu. É de certa forma salpicado por isso.

Eu amo a música “God Bless America – And All The Women In It”…
Verdade? Obrigada! Eu amo essa música também.

É um aceno à marcha das mulheres que ocorreu nos Estados Unidos após a eleição de Donald Trump?
O que é muito interessante sobre essa música é que eu a escrevi antes da marcha das mulheres. E um mês mais tarde, as mulheres marcharam em Washington, Los Angeles… Elas estavam falando em toda parte entre elas ou na internet, porque estavam nervosas com a maneira que falavam delas. Foi, então, mais uma resposta a isso. Mas eu sabia que algo louco estava para acontecer. É interessante que ainda haja marchas de mulheres… Mas elas as fizeram por uma boa razão.

Você acha que a música pode mudar o mundo?
Espero que sim. Acredito verdadeiramente no poder das palavras e do pensamento. Minhas intenções são realmente boas. Meu caminho nem sempre foi fácil mas minhas intenções com minha música, particularmente nos últimos dois anos… Eu de fato pensei nos fãs ao fazer este álbum. Mas penso que sim, a música pode mudar as coisas. E se isso não muda a vida das pessoas, pode lhes fazer companhia enquanto elas tomam suas próprias decisões.

Você fica ainda hoje um pouco nervosa quando vai lançar um álbum?
Sim, é claro! É simples, eu ainda amo os meus álbuns. Amo todos eles. Muitas vezes, pergunto aos artistas que conheço se eles amam seus álbuns e alguns me dizem: “Claro, creio que não tenho um preferido”. Mas eu sou sempre hiper entusiasmada! A história, a narração… Quando é uma jornada íntima, você se sente sortuda de poder compartilhar este momento de sua vida. De fato, o sucesso para mim, é apenas conseguir terminar a história de um álbum. Lembro-me do que diziam as críticas do Born To Die. Era difícil não prestar atenção nelas e seguir em frente. Eu simplesmente amo música, e é por isso que eu a faço.

A química entre você e The Weeknd é tanta que eu penso que a ideia de um álbum em conjunto com ele seria hiper interessante.Você faria?
Sim, eu adoraria! Nós falamos disso em alguns momentos. Mas Abel é tão ocupado… Ele é fantástico. Eu poderia fazer isso com A$AP Rocky também… Nós poderíamos fazer até os três juntos. E também com Tyler The Creator. Ele acabou de lançar um álbum, eu ouvi algumas músicas. Tudo é possível!

Foi a primeira vez que você integrou duetos em um de seus álbuns. Por que fez isso agora?
Creio que o álbum se valeu do fato de eu me abrir ao máximo de colaboradores possível. Abel é super ocupado atualmente, mas antes que ele saísse em turnê, eu tinha o hábito de ir o tempo todo vê-lo em estúdio para ouvir algumas coisas… O mesmo acontecia com A$AP Rocky… Ele mora em frente à minha casa e assim eu o visitei ao menos uma vez por semana durante muito tempo. Eu disse a mim mesma… Eu cantei no último álbum de Abel, mas nem ele nem A$AP jamais vieram me ver no estúdio! Sempre fui eu que passava lá para vê-los. Portanto, tinha chegado o momento que eles deviam se virar! (Risos) Apenas tive o sentimento de que era o momento certo.

E foi difícil de se reinventar no seu novo álbum? Às vezes, pode-se ter a sensação de já ter cantado isso ou aquilo…
Oh não, de forma alguma. Eu adoro manter alguns costumes. Não me incomoda fazer a mesma coisa ou manter uma estética. Por exemplo, podemos dizer que sempre o Red Hot Chilli Peppers fez punk rock. Eu amo de verdade tudo o que eu fiz mas senti que, fundamentalmente, uma mudança estava acontecendo. E minhas letras simplesmente seguiram este caminho… Não tem mais que um ano e meio que disse a mim mesma que queria um sorriso na capa do álbum. Não tenho a ideia de ser feliz há tão pouco tempo assim, então, a música seguiu essa ideia e ela saiu mais luminosa.

Eu li em uma entrevista antiga que seu sonho era encontrar a felicidade…
Eu disse isso? (Risos)

Aparentemente… Então, você parece tê-la encontrado…
(Ela mergulha em seus pensamentos e dá uma pausa em sua fala) Eu sei que estou diferente… Sinto-me diferente de qualquer estado que pudesse me encontrar antes. Agora, não sei mais se a definição de felicidade é a mesma para todos…

Qual seria a sua?
Não sabotar a si mesmo. (Sorriso) Não seguir sempre o seu senso… Eu imagino muitas coisas, tenho um milhão de pensamentos por minuto. É muito difícil canalizar tudo, eles são todos muito claros. Mas creio que sou alguém de certa forma realista. É necessário que o pensamento, o corpo e o espírito estejam em sintonia. Mas isso é, obviamente, um trabalho à longo prazo! (Risos)

O sucesso pode cicatrizar algumas feridas?
Sim, ele pode. Eu vi ele cicatrizar as feridas de algumas pessoas. Mas se elas não se observarem em sua essência, a cicatrização será superficial. É importante examinar a si mesmo, se contemplar… Esse tipo de coisa. Mas é um pouco estranho dizer isso! (Risos)

Agora que você já conseguiu se tornar Lana Del Rey, qual o seu próximo sonho?
Meu sonho… (Ela reflete) Eu tenho um sonho… Tenho o álbum dos sonhos no fundo de minha mente, com uma perspectiva que espero poder realizar um dia. É sem dúvida mais luminoso do que eu sou agora. E eu quero verdadeiramente continuar na música!

Você já pensa no seu próximo álbum?
É a primeira vez que eu tenho apenas uma pequena ideia para o próximo álbum. Tenho também a ideia de uma mixtape com algumas pessoas… Mas acho que vou sair em turnê ao invés disso. Bom, acredito que será necessário encontrar um meio termo entre as duas ideias! (Risos)

 

Por Julien Gonçalves
Tradução por Mateus Santana

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
  • Raphael Kaiston

    Até hoje ela não fez o álbum dos sonhos dela😱😱😱 chocado será deve ser um álbum 100% terrenceLovesyou

TOPO