Co-presidentes da Polydor falam sobre Lana Del Rey em entrevista ao site ‘Music Week’

por / segunda-feira, 31 julho 2017 / Publicado emEntrevistas

Music week

Tom March e Ben Mortimer, co-presidentes da Polydor (gravadora de Lana Del Rey na Europa) falaram um pouco sobre a cantora e suas conquistas ao site Music Week. Confira o trecho da entrevista traduzido a seguir:


“Ela faz tudo em seus próprios termos”: os co-presidentes da Polydor, Tom March e Ben Mortimer discorrem sobre o nº 1 de Lana Del Rey

Na semana passada, Lana Del Rey conseguiu o primeiro lugar na lista de álbuns do Reino Unido com seu quinto álbum, Lust For Life. Não foi só mais uma vitória para Del Rey, mas também marcou outro triunfo para a Polydor, vinda de um primeiro semestre de sucesso em 2017, com as cortesias de Elbow, Pete Tong, a trilha sonora de La La Land, além de entradas fortes nos charts com Haim, Take That e Kendrick Lamar. Isso se não falarmos do grande sucesso com a faixa Despacito de Luis Fonsi. No entanto, isso é tudo parte de um quadro mais amplo no qual os co-presidentes da Polydor, Tom March e Ben Mortimer, estão trabalhando. Mais cedo neste ano, os dois disseram que eles “definitivamente iriam bombar artistas” neste ano. Aqui, a Music Week fala com March e Mortimer para discorrer sobre a campanha de Lana e analisar o bem sucedido 2017 da Polydor até agora…

Falem conosco sobre a campanha de Lana até agora. O que se destacou para vocês?

Tom March: Definitivamente foi o registro mais bem avaliado de sua carreira – ela está numa ótima fase neste momento, eu acho. Cada uma das reviews feitas foi de 4 ou 5 estrelas – foi espetacularmente bem recebido por todas as mídias e críticos. Ela está indo pelo caminho certo, culturalmente, com convidados no álbum. Playboi Carti parece ser o rapper mais excitante emergindo nos Estados Unidos no momento, e, obviamente, ela tem uma longa relação com A$AP Rocky e The Weeknd – nenhum deles foi forçado. O que foi realmente tocante pra mim foi que ela fez sua primeira apresentação em Londres em quatro anos na semana passada e isso lembrou a todos o quão especial e reverenciada ela é. Foi um show de última hora, mas a reação dos fãs, da plateia e das críticas tornou aquela noite muito, muito, muito especial. Ela é a artista dos artistas. Eu estava no show e, olhando pros lados, havia Dan do Bastille, Florence and the Machine, Hannah do London Grammar, Twigs, Professor Green. É bastante revelador. Acho que ela está na melhor fase em que já esteve por um longo, longo tempo e espero que continue assim.

Ben Mortimer: Desde os primeiros estágios, sabíamos que teríamos um disco grandioso aqui. Desde a primeira música que ouvimos, pudemos dizer que ela está num ótimo momento, criativamente falando. Penso que ela está realmente estabilizada agora como uma verdadeira artista. A reação da plateia em Brixton… Você realmente pode sentir o amor e a admiração da fanbase. Estamos satisfeitos de verdade que ela esteja em primeiro lugar. Foi um brilhante trabalho de equipe de todo o time da Polydor.

Como é o trabalho com Lana comparado a outros artistas?

Tom March: Ela é muito produtiva e não liga para a falta de sentido em volta disso; ela liga para sua arte e se mantém sobre ela. Ela tem um misticismo – que faz parecer que ela desce das colinas de Hollywood para distribuir sua música para grandes massas e depois ela simplesmente sobe novamente. Ela faz tudo dentro dos próprios termos. Ela faz a música que ela quer, do jeito que ela acha que deve fazer. Eu acho que é isso que conecta os fãs a ela – eles sabem que isso é algo dela, algo genuíno. Ela não está interessada em fazer um álbum que funciona em determinado lugar; ela faz exatamente o que quer fazer. É a mesma coisa com a promoção de seus discos. Você tem que trabalhar levemente de um jeito não tradicional porque ela não quer fazer performances na TV, entrevistas filmadas, ou coisas que normalmente você faria com outros artistas. Você tem que dar um jeito de fazer as coisas de uma forma diferente. Então, nós estamos lançando músicas por 6 meses! ‘Love’ realmente é uma faixa esclarecedora do quão fenomenal ela é  – foi um retorno poderoso. Ela admitiu que foi a primeira faixa a ser  gravada para o projeto e que foi a música que definiu os rumos do álbum. Mais uma vez, os visuais dela são espetaculares. Como eu disse antes, você não pode propor entrevistas filmadas e performances televisas porque não é assim que ela quer promover o CD dela. Mas os visuais são tão incríveis, que se tornam peças chaves para entender o que está por vir. Não apenas os vídeos, mas também o modo que ela usa suas redes sociais – como o Instagram. Teve uma reportagem na FADER sobre como ela usa o Instagram a seu favor, que é demais, de como é incrível como ela se conecta  aos seus fãs através das redes, ela faz isso melhor que quase todo mundo. O conteúdo que ela cria, o trailer dos álbuns que ela cria, o mundo que ela cria – as pessoas entram em cada mundo que ela constrói. Ela é uma artista muito moderna nesse sentido, ela abraça muito bem o mundo moderno sem perder o toque de uma artista clássica. Tap, que é uma ótima agência de artistas, está realmente entregando vários artistas brilhantes. Eu acho que eles deviam ser premiados pelo trabalho magnífico com Dua Lipa, Lana e outros. É um agência brilhante com uma dinâmica jovem.

Por George Garner
Tradução por Mateus Santana e Marcos Almeida

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
TOPO