NME: Oito coisas para esperar de ‘Honeymoon’

por / terça-feira, 21 julho 2015 / Publicado emNotícias

NME 1

Prestes a lançar o seu novo álbum, “Honeymoon”, Lana Del Rey tem dado dicas sobre o seu novo trabalho que criaram várias expectativas, tanto para os fãs como para a mídia. O site NME listou oito coisas que podemos esperar do novo disco de Lana, confira:


Honeymoon, novo álbum de Lana Del Rey – Oito coisas para esperar dele

 

“Nós dois sabemos que não é de bom gosto você me amar”, canta Lana Del Rey em Honeymoon, seu novo single – a faixa título do seu terceiro álbum que está a caminho. Há muitas pessoas que discordariam: desde que ela revelou a canção nessa última semana, os fãs comentam entre si sobre o álbum de forma febril. Mas o que nós podemos esperar do álbum que Lana pretende lançar em setembro? Nós colocamos nossos chapéus de detetive, encaixamos as pistas, nos ligamos nas postagens e comentários de Lana nas redes sociais, escutamos as novas faixas que ela lançou lançou desde o Ultraviolence, de 2014 –  o que nós pensamos está aqui e pode ir para as lojas….

 

Mais glamour desbotado e grandes baladas sobre bad boys

Uma das coisas mais fascinantes da descoberta de Lana, o viral “Video Games”, é um tanto diferente do resto do seu LP de estreia ‘Born to Die’: ela fez o seu nome com uma grande balada, triste,  porém o álbum que veio após se desviou para o hip-hop (National Anthem), R&B (Diet Mountain Dew), e um pop sensual e esfumaçado (uma das principais faixas, Blue Jeans). Desta vez, porém, a cantora deu a ideia de que a faixa título é uma representação perfeita do álbum como um todo. “Eu amo essa música porque ela encapsula todas as coisas que vêm naturalmente até mim”.

Batidas envolventes e um grunge de leve

Na mesma postagem em seu Instagram, Del Rey resumiu que a ideia de que “Honeymoon” será um caso unidimensional de uma nota só. “Há tantas outras faixas no disco, 13 para ser exata”, ela escreveu. “Algumas com uma energia envolvente e algumas inspiradas nos passeios de Miles Davis tarde da noite”. Em outros lugares, entretanto, ela falou sobre querer pregar um som que combinasse “coros majestosos, belos orquestrais, tipo uma vibe dos anos 1950 com um grunge de leve”. Como notamos em nossa revisão da faixa “Honeymoon”, Lana não é de se interessar ou adotar o experimentalismo – poderia ser esse o álbum onde ela mistura todos os estilos como se ela nunca tivesse o feito?

Todo aquele jazz

A citação de Lana à Miles Davis não é a única influência de jazz em “Honeymoon”. Embora não haja nenhuma lista de faixas do LP ainda, uma canção que é quase certo que vai aparecer é um cover de Nina Simone. “Eu estou fazendo um cover de Don’t Let Be Misunderstood”, ela disse à Billboard. “Eu gosto de de resumir o álbum com uma canção de jazz. Eu estou me divertindo com a minha interpretação”. Ela também ganhou forma nessa área: o final de Ultraviolence foi o cover de ‘The Other Woman’, uma música escrita por Jessie Mae Robinson e que mais tarde foi caracterizada em um dos álbuns ao vivo de Nina Simone. Escute ao cover de Lana abaixo:

Music To Watch Boys To

E aqui está outra música que é certa de que vai para a versão final de “Honeymoon”. De acordo com Del Rey, “Music To Watch Boys To” foi originalmente planejada para ser o título do álbum, ao mesmo tempo em que o modelo Jake Mast anunciou em junho que ele e Lana tinham filmado um clipe para a música. A promo ainda não apareceu, mas Del Rey não está tímida de falar sobre isso. “O título empresta a si mesmo para um visual de sombras de homens passando, os olhos de uma garota, seu rosto”, ela disse. “Eu certamente consigo ver coisas”

Influência de uma era LSD dos Beatles

As músicas tanto em ‘Born to Die’ quanto em ‘Ultraviolence’ viram que Del Rey lida com garotas embevecidas que se mantêm em romances ardentes: referências que inspiraram Kim Gordon a reclamar que a cantora “nem ao menos sabe o que feminismo é”. Mas Lana falou que, dessa vez, ela vai procurar em outros lugares para inspiração. “Estou pronta para entrar mais em um ponto surrealista como ‘Lucy In The Sky With Diamonds'”, ela falou ao Inquirer anteriormente este ano, revelando que o álbum seria menos “pesado e autobiográfico” que seus antecessores.

Um sentimento ainda mais cinemático

Desde ‘Ultraviolence’, a maioria dos lançamentos de Del Rey estiveram em filmes: nos últimos 18 meses, ela contribuiu com música para Grandes Olhos, de Tim Burton, a história da artista Maggie Keane, e a música ‘Life is Beautiful’ para a trilha de A Incrível História de Adaline. Lança um cover ao vivo de ‘Uma Cilada para Roger Rabbit’, referências ao legendário cineasta Fellini em entrevistas e os floreios noir do novo single ‘Honeymoon’ – é possível que o próximo álbum de Lana seja o seu mais cinemático.

Sem os antigos produtores

Dan Auerbach do Black Keys trabalhou com Del Rey no rock lânguido de ‘Ultraviolence’, mas ele revelou ao NME mais cedo esse ano que a dupla decidiu não trabalhar junto novamente. Auerbach já tinha insinuado de que ele e Del Rey haviam tido desavenças ocasionalmente no estúdio, declarando: “Houveram momentos em que ela estava brigando comigo. Eu sentia que talvez ela não quisesse que ninguém pensasse que ela não estava no controle, porque estou certo de que é bem difícil ser uma mulher na indústria da música. Então fomos um pouco um contra o outro, mas no fim do dia estávamos dançando as músicas”.

E com os novos

Então, Auerbach está fora, e há algumas novas caras envolvidas no lugar. É esperado que Del Rey volte com os já conhecidos colaboradores Dan Heath e Rick Nowels, que trabalharam com ela em ‘Born to Die’ e ‘Utraviolence’. Mas, de longe, a possibilidade mais intrigante nas suas insinuações é que ela está trabalhando com Mark Ronson, o hitmaker de ‘Uptown Funk’. Em Dezembro do ano passado, ela revelou: “eu toquei a ele [Ronson] 10 músicas que compus para esse próximo álbum. Ele acrescentou um pouco da sua assinatura usual, soul e funk. Em vez disso ele explora mais um som próximo à era dourada do jazz”. Em abril desse ano, entretanto, Ronson admitiu: “Eu vou fazer algumas gravações com Lana Del Rey hoje e amanhã. Eu encontrei esse antigo estúdio legal por aqui… Ela tem algumas músicas e eu disse que tinha algumas ideias de demo, e se elas fossem um pouco boas, então ela talvez gostasse delas e nós partiríamos dali”. Nós devemos descobrir mais detalhes conforme setembro se aproxima. Fique sintonizado…

 

Por Ben Hewitt
Tradução por Alexandre Krause e Carol P. Carrasco

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
TOPO