As 10 melhores músicas de Lana Del Rey, segundo a conceituada revista NME

por / sexta-feira, 01 maio 2015 / Publicado emNotícias

IMAGEM POST LDRA

Enquanto ‘Life is Beautiful’, a bela canção da trilha sonora do filme A Incrível História de Adaline, não é lançada, a renomada revista NME reuniu em uma lista as 10 melhores canções de Lana Del Rey. Confira a tradução do artigo.

10. Ultraviolence

Elizabeth Grant nos levou para uma confusa jornada com seu pseudônimo Lana Del Rey, uma personagem complexa que mistura pseudo-biografia com uma grandiosa tristeza para aprimorar seu enigma ao estilo Twin Peaks. Sendo a faixa-título de seu segundo álbum, ‘Ultraviolence’ começa como uma música que fica melhor a cada vez que é ouvida, assim como ‘Video Games’, até tomar uma desconcertante virada em uma referência às descrições da banda Crystals de violência doméstica [embora sabemos que a versão de Del Rey se refira à bebida alcoólica].

9. Young and Beautiful

Lana foi a candidata perfeita para liderar a trilha sonora de O Grande Gatsby em 2013, com suas reflexões fúnebres, romantismo fosco e a velha nostalgia americana se encaixando na adaptação de F. Scott Fitzgerald como uma luva. ‘Young and Beautiful’ casa uma excelente melodia de cordas e ecos à quantia ideal de melodrama.

8. Brooklyn Baby

O single não recebeu a fanfarra comum de Ultraviolence, mas suas suaves melodias arrepiantes sobrevoam por dentro e por fora de grandes camadas que reverberam para criar uma bela atmosfera obscura, com letras semi-irônicas perfeitamente equilibradas entre aversão e atração pelo hipster. Amar Lana pode ser um hobby incomum para um fã dedicado de música, mas se o Arctic Monkeys tivesse escrito essa, todos os seus amigos ficariam loucos por ela.

7. Cruel World

Um ponto alto de Ultraviolence, a abertura de sete minutos chamada ‘Cruel World’ vê Lana viajar através de um coração partido como uma nômade em busca do Saara, curvada ao vento do deserto. A tempestade de areia que ameaça começar nunca vem totalmente, ficando nessa onda de replays no limbo dos apaixonados não correspondidos, em algum lugar entre zombaria e tormento com sua insistência de que “Todos sabem… eu sou louca”.

6. Sad Girl

Um intrigante fato da ascensão de Lana Del Rey é que frequentemente ela soa um pouco menos apetitosa do que os adoráveis hinos de isolamento da Lykke Li. ‘Sad Girl’ é puro coração partido, puro pop e pura persona (ela canta sobre “amante deixada de lado”), absolutamente resplandescente com um refrão frágil como uma pluma que soa como um sussurro se dissipando em um túnel.

5. West Coast

O que os críticos de Lana tendem a ignorar é o quanto as músicas dela são estranhas. Pegue o single de Ultraviolence, ‘West Coast’, um hit internacional que mistura trip-hop, pós-punk, um soul sombrio e uma ofuscante psicodelia para fornecer uma faixa facilmente chamativa que fode com o as paradas pop assim como Picasso fode com feições faciais.

4. Summertime Sadness

Em nenhum lugar a identificação da Lana como “Hollywood sadcore” foi mais entusiástica do que nesse hino de Born to Die. Ele tem um ritmo balançante alternando no refrão, mas seu cartão de visitas é a letra agradavelmente melancólica atravessada com euforia, “chiando como uma armadilha”.

3. Shades of Cool

Com assombrosos versos tranquilos e um refrão interestelar que se encaixaria num recente álbum do Muse, ‘Shades of Cool’ é o tipo de single deslumbrante de Ultraviolence que simplesmente não daria certo em Born to Die, o qual trabalhou com um molde mais rígido de pop majestoso. Ele não é tão sedutor quanto o melhor material dela, mas a mudança de rumo marcou uma evolução vital para a cantora.

2. Blue Jeans

Depois de ‘Video Games’ fazer a internet virar uma grande sessão de comentários sobre Lana Del Rey, ‘Blue Jeans’ teve uma lufada de anti-clímax. Na luz dos trabalhos posteriores dela, entretanto, ele faz perfeito sentido, envolvendo elegantemente declarações passivo-agressivas de devoção — “Amo você mais do que aquelas vadias de antes” — em suntuosas cordas e perambulantes ressonâncias de violão.

1. Video Games

Foi atestado que para o mito de Lana que, enquanto sua duvidosa apresentação de ‘Video Games’ no Saturday Night Live apresentou por um momento uma verdadeira ameaça ao seu status, o fracasso desde então se tornou apenas um incidente em seu caminho para o topo. É verdade que a música funciona melhor na versão do estúdio, uma balada tão lúcida e íntima que ouvi-la é como olhar para o diário de um estranho. É como se ela se esvaísse e afundasse em desilusões amorosas de acordo com a melodia.

 

Tradução por Carol P. Carrasco
Revisão por Raphaella Paiva

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
  • Raphael Lucas

    A maioria do Ultraviolence… Imaginem as músicas do HONEYMOON <3

  • Yuri

    Como assim Born To Die não entrou na lista???

  • Mathx

    Ultraviolence transcende tudo, cada faixa é uma viagem diferente , amo a Lana e tudo que ela faz vira épico , mas acho que nunca ouvirei nada como o Ultraviolence, aguardo o Honeymoon mais que tudo pra ver se é tão bom quanto ; ou melhor ….

TOPO