Put Me In… Other songs! | 10 músicas que poderiam ter sido escritas por Lana Del Rey

por / quinta-feira, 19 fevereiro 2015 / Publicado emColunas, Put Me In

IMAGEM POST LDRA

Sempre tem aquela música de outro cantor que ouvimos e pensamos “Isso é muito Lana Del Rey, é a cara dela escrever isso!” Seja uma canção que trata de amor, de desejo ou liberdade, por vezes conseguimos sentir a alma de Del Rey transitando entre composições de outros artistas! Do rock, passando pelo pop, indo ao jazz e dando uma corrida ao post-punk – afinal, Lana já nos provou que não tem um estilo definido –, venham conferir 10 músicas que poderiam ter sido escritas por Lana Del Rey (e que adoraríamos ver em sua voz!)

 

 10. Weight of Love – The Black Keys

A banda de Dan Auerbach, produtor do álbum “Ultraviolence”, expressa em seus álbuns em meio a sintetizadores e guitarras distorcidas, temas extensivamente abordados por Lana Del Rey em suas composições, como a solidão, o amor e os furacões emocionais trazidos por ele. Weight of Love, canção do último álbum da banda, denominado “Turn Blue”, traz a vibe impactante existente em “Ultraviolence”, com solos incríveis e um lirismo magnífico digno da mente de Del Rey.

You’ll be on my mind

Don’t give yourself away

To the weight love

Você estará em minha mente

Não se renda

Ao peso do amor

 

 9. Since I’ve Been Loving You – Led Zeppelin

Uma das mais famosas bandas que conquistou o mundo na década de 1970 foi o Led Zeppelin. Robert Plant, com sua voz única e os riffs de guitarra de Jimmy Page criaram uma atmosfera jamais vista no ambiente do rock e a banda estourou nas paradas britânicas para, logo em seguida, partir conquistando os quatro cantos do planeta. Mas nada disso seria possível sem o lirismo escondido por trás das batidas fortes, que chegavam a se tornar mais brilhantes que os próprios acordes que arrepiavam os ouvintes. Com uma sonoridade mais pesada ainda que o próprio “Ultraviolence”, Since I’ve Been Loving You é uma composição que exalta a mulher amada e descreve de forma impressionante o sofrimento que o eu-lírico vive diariamente por amar essa mulher de forma tão insana – ele sente que está ficando louco, literalmente louco. Coloquem o fone de ouvido, deem o play e sintam a magia dessa que é uma das canções mais aclamadas da história da música atual.

Since I’ve been loving you

I’m about to lose my worried mind

Said I’ve been crying

My tears they fell like rain

Don’t you hear, don’t you hear them falling?

Desde que comecei a amar você

Eu estou à beira de perder minha cabeça

Disse que estive chorando

Minhas lágrimas, elas caíram como chuva

Você não as ouve, não as ouve caindo?

 

8. Come as You Are – Nirvana

Não é segredo que Kurt Cobain, vocalista do Nirvana, é uma das maiores inspirações de Lana Del Rey. A própria já afirmou em entrevistas que Heart-Shaped Box, composição da banda de grunge norte-americana, foi o primeiro videoclipe que ela assistiu na vida, quando tinha 11 anos. Desde então, o grupo musical que discute e critica por meio de suas canções temas polêmicos – como suicídio, amor, drogas e religião – passou a influenciar a vida e escrita de Lana. Trazemos para vocês Come as You Are, obra do álbum “Nevermind”. Citada na canção Oh Say Can You See do álbum “Lana Del Ray A.K.A. Lizzy Grant” (“The voice of Nirvana says come as you are / and I will”), Come as You Are trabalha o conceito de liberdade acima de tudo e todos, tema que crucifica e encanta Lana, sendo expresso das mais variadas formas em suas músicas. A aura escura e a fotografia do vídeo nos trazem a sensação dos clipes homemades antigamente produzidos por Lana.

Come as you are, as you were

As I want you to be, as a friend

As a friend, as an old memory

Venha como você é, como você foi

Como quero que você seja, como amigo

Como um amigo, como uma velha memória

 

7. Love Will Tear Us Apart – Joy Division

Essa é bem pesada. A tristeza dos versos chega quase a ser palpável, assim como diversas canções de Lana Del Rey. Então, para os mais sensíveis (assim como eu), sugiro respirar fundo antes de ouvir essa e analisar seus versos. Qualquer coisa, agarrem um lenço aí. Joy Division foi uma banda com uma vida extremamente curta. Seu vocalista, Ian Curtis, se suicidou com apenas 24 anos, deixando para trás uma das bandas que mais teriam influência no mundo da música. Devido aos problemas emocionais e uma crise em seu casamento que terminou em divórcio, o líder da Joy Division se enforcou, deixando Love Will Tear Us Apart para a humanidade. A música que retrata o sofrimento amoroso vivido diariamente pelo cantor teve o título gravado em sua lápide por pedido de sua ex-mulher. Nem sei muito o que dizer sobre essa canção, creio que ela fala por si só. Me lembra canções como Video Games pela aura pessoal que apresenta. O cantor exprime sua vida e desespero por meio dos versos. Quase conseguimos tocá-lo por meio das palavras, um dos poderes que poucos verdadeiros compositores, como Lana Del Rey, são capazes de nos fazer sentir.

Love, love will tear us apart again

Amor, o amor irá nos despedaçar outra vez

 

6. You Know I’m No Good – Amy Winehouse

Chega de tristeza agora que já estou aqui limpando as minhas lágrimas com a última música! Saindo do rock, vamos dar um pulo no jazz para rever uma das mais maravilhosas vozes que já existiu: Amy Winehouse. Apesar da aura triste existente nos versos da música, o saxofone e a banda no fundo dão um ar surreal à composição. Amy, mais uma das inspirações de Lana, canta em You Know I’m No Good sobre como é uma garota má que – mesmo sem intenção – sempre atrai problemas e relacionamentos conturbados. Bem Lana, não? Sentindo saudades de seu companheiro, arrependida pelo término, procurando sair dos problemas… Amy é a Lana Del Rey do jazz. Liguem o som e sintam no coração de vocês que, assim como Winehouse, Lana Del Rey não é uma garota boa – e todos seus amantes deveriam estar cientes disso ao encontrarem seus olhos pela primeira vez.

I cheated myself

Like I knew I would

I told you, I was trouble

You know that I’m no good

Eu enganei a mim mesma

Como eu sabia que faria

Eu lhe disse, eu sou problema

Você sabe que eu não sou boa

 

5. Chandelier – Sia

Vamos fazer uma revolução musical e voltar ao bom e velho pop-dance? As batidas fortes de Chandelier conquistaram as pistas de dança do mundo inteiro ano passado… Mas é justamente essa força da dança que de certa forma mascara os versos intensos que existem por trás da produção. Quantos de nós já paramos para verdadeiramente analisar a mensagem que Sia transmite em Chandelier? O eu-lírico feminino da canção vive um sofrimento diário e sente que não merece receber amor. Para fugir dessa realidade, ela entra num ciclo de vícios por álcool que só aprofunda sua tristeza cada vez mais. Ela procura uma liberdade intensa, ela procura fugir de tudo, ela procura ser feliz. E num misto de tristeza, bebidas e uma guerra dentro da mente (I just ride!) somos completamente envolvidos por essa magnífica obra de arte. Mesmo Lana não tendo composto Chandelier, consigo a imaginá-la a ouvindo over and over again.

And I’m holding on for dear life

Won’t look down

Won’t open my eyes

Keep my glass full until morning light

‘Cause I’m just holding on for tonight

E eu estou me segurando à vida

Não olharei para baixo

Não abrirei meus olhos

Manterei meu copo cheio até de manhã

Porque só consigo suportar essa noite

 

5. I Know It’s Over – The Smiths

Quem aí é “queria estar morta” e não conhece The Smiths? A banda britânica de post-punk liderada por Morrissey sempre abordou a tristeza em primeiro lugar – junto com os problemas sociais, claro. Eles foram apenas uma das bandas mais influentes do século XX, exprimindo em suas letras temas como religião, a situação social da Inglaterra, o consumo de carne (essa é pra vocês, vegetarianos!) e, claro, o nosso querido (e sufocante) amor. Em I Know It’s Over, Morrissey declara sua tristeza devido ao fim de um relacionamento… que aparentemente nem sequer começou. Ele está em pedaços por amar alguém que não o corresponde com os mesmos sentimentos e se sente sufocado, chega a dizer que seu mundo está caindo, que sente que o mar quer levá-lo para longe. A letra é maravilhosa e, sabiam que Lana já chegou a postar alguns versos da canção em sua página do Facebook em 2011? Apesar de nunca ter declarado ser fã da banda, muitas músicas nos trazem aquela sensação Del Rey que estamos acostumados.

Love is natural and real

But not for you, my love

Not tonight, my love

Love is natural and real

But not for such as you and I, my love

O amor é natural e verdadeiro

Mas não para você, meu amor

Não essa noite, meu amor

O amor é natural e verdadeiro

Mas não para aqueles como você e eu, meu amor

 

3. Wonderwall – Oasis

Chega de tristeza e vamos ao romantismo em sua forma mais plena! Estamos chegando ao fim da lista e não poderia deixar de citar essa que é uma das músicas mais tocantes que já ouvi na vida. Os acordes simples de violão, a melodia suave e os versos aconchegantes trazem aquela sensação de querer abraçar a pessoa amada e segurá-la bem forte e não largar nunca mais! Gente, tô apaixonado, segura aí! Hahaha’ Oasis com Wonderwall foi capaz de trazer aquele velho e perfeito romantismo visto em Video Games e na unreleased Never Let Me Go. Lana chegou a cantar a canção ao vivo em um de seus shows! Sem mais delongas, aqui vai o vídeo original da banda e outro com nossa querida Lana cantando esse hino que faz qualquer um se apaixonar.

I don’t believe that anybody

Feels the way I do

About you now

Eu não creio que nenhuma outra pessoa

Sinta o que eu sinto

Por você agora

 

2. Who Knows Where the Time Goes – Nina Simone

Nina Simone é uma das vozes mais únicas que já existiu. O “Ultraviolence” foi encerrado com The Other Woman e o “Honeymoon” terminará com Don’t Let me Be Misunderstood, ambas da cantora. Qual dúvida resta sobre Lana ser incrivelmente apaixonada por ela? Who Knows Where The Time Goes trabalha com o passar do tempo, o passar da vida. Com letras muito simples, Nina canta sobre como o tempo leva tudo embora… Os pássaros que migram quando chega o inverno, os amigos que se vão com a vida… Mas que ela está segura enquanto estiver na companhia daquele que ama. “Will you still love me when I’m no longer Young and beautiful?”. Com vocês, Who Knows Where the Time Goes.

For who knows where the time goes?

Who knows where the time goes?

And I am not alone while

My love is near me

I know it will be so until it’s time to go

Pois, quem sabe aonde o tempo vai?

Quem sabe aonde o tempo vai?

E não estarei sozinha enquanto

Meu amor estiver próximo a mim

E sei que será muito até a hora de ir

 

01. There Is a Light that Never Goes Out – The Smiths

E o top 1 ficou por conta de Morrissey e Marr! There Is a Light that Never Goes Out é provavelmente a canção mais famosa de The Smiths, trabalhando com o tema da solidão, do amor e da força avassaladora deste, capaz de mudar cada um de nós. No refrão, o eu-lírico chega a cantar que morrer ao lado de sua amada seria uma forma divina de se morrer. Mas mais importante, por mais que não haja saídas, por mais o desespero seja o único caminho e o desejo de sumir deste mundo tome conta… Sempre há uma luz que nunca se vai – e é isso que Lana prega em todas as suas canções. O amor corrói, o amor mutila, e às vezes nós podemos até querer estar mortos, mas sempre há uma luz, sempre. Sempre há um caminho a seguir e a felicidade estará lá, apenas nos aguardando. Afinal, depois de tudo o que Lana passou, a vida é incrível, ela confessa. Lembrem-se sempre: há uma luz que nunca se vai.

Take me out tonight

Where there’s music and there’s people

Who are young and alive

Me leve para sair esta noite

Onde há música e há gente

E eles são jovens e vivos

 

Bem, espero que vocês tenham gostado do top 10! Pensei em muitas outras músicas para incluir nessa lista e tive que pensar muito para escolher só dez! Mas quais outras músicas lembram a Lana para vocês? Postem nos comentários, queremos saber!

Um beijo a todos e até a próxima!

 

Por Wesley Lima

Revisão por Raphaella Paiva

Wesley Lima
21 anos, futuro médico, pianista e, acima de tudo, um louco apaixonado pela arte e os sentimentos profundos que ela é capaz de evocar. Foi “Born to Die” a canção que transformou sua vida e desde então viu em Lizzy Grant muito mais do que uma artista e uma inspiração: Lana, na verdade, tornou-se sua melhor amiga. Conheceu-a em 2013, quando a Paradise Tour foi a Belo Horizonte.
  • Karen Dias

    The Smiths, Nirvana, Nina… Que amor! <3

TOPO