ANÁLISES | O enigmático K por trás das canções For K (Part 1) e For K (Part 2)

por / terça-feira, 10 fevereiro 2015 / Publicado emAnálises, Colunas

May Jailer

Quando falamos de Lana Del Rey, devemos saber que antes de adotar esse nome artístico de sucesso, Del Rey, por meio de pseudônimos, costumava se apresentar sem compromisso nos palcos dos clubes da cidade de Nova York e a frequentar boates de Brooklyn como nova cantora num cenário underground. Nessa época, Lana lançou duas canções de autoria própria intituladas For K (Part 1) e For K (Part 2). Como no dia 27/02/2015 tivemos a notícia de que havia vazado um demo de For K (Part 2), podemos pensar: “Quem será que é esse tal de K?”, “O que Laninha quis dizer nessas canções?”, “Cadê a parte um da canção?”, “Será que essa música é nova?”. Para entendermos melhor essas canções ora tão românticas, ora tão criminosas, pensamos em fazer a análise.

tumblr_mg74jhSOtt1r47k2fo1_500

Inicialmente, é necessário compreendermos que nem Lana Del Rey, nem Lizzy Grant e muito menos May Jailer esclareceu quem foi K em sua vida. Pode ter sido um grande amor, uma paixão platônica, um momento de sua vida, uma simples história romântica. Assim, o que podemos supor é que foi sim um homem, pois ela cita várias vezes o pronome “he” – ele –, pelo qual se apaixonou e ele cometeu um crime levando-o à prisão.

Sirens

 

For K (Part 1) está no álbum nomeado pelos fãs de Sirens, lançado por Lana sob o pseudônimo de May Jailer e gravado entre 2005 e 2006. O álbum vazou no Youtube em 2012, contém 15 faixas, tem como gênero o folk, porque a cantora canta todas as canções ao som de um violão, por conta disso todo álbum possui o mesmo ritmo acústico. Para sabermos mais sobre a canção analisada, vamos ver, primeiramente, a letra:

 

 

 

For K  (Part 1)

It was a drive-by Sunday night
Most of us were in bed all right
I turned down the light
Then I heard the sirens
Interrupt the silences
This what you wished
To commit a crime?
Is this what you wished
To commit a crime?
Is this what you wished
To commit a crime, commit a crime, commit a crime?
You was a nice guy, really bright
Making money’s hard to do right
Guilty was his plight
Now he’s in a jail cell
For some thirty years nows
This what you wished
To be serving time?
Is this what you wished
To be serving time?
Is this what you wished
To be serving time, serving time, serving time?
K’s a friend of mine
I think about him as he does time
Miss his white wine
Funny I don’t feel free
Even though it’s not me
Is this what you wished
To leave me behind?
Is this what you wished
To leave me behind?
Is this what you wished
To leave me behind, me behind, me behind?
Last year they decided
That his time is up and then he got retried
Double homicide
Sent him on to death row
Not to hang around though
Is this what you wished
Did you want to die?
Is this what you wished
Did you want to die?
Is this what you wished
Did you want to die, want to die, want to die?
Did you want to die, want to die, want to die, want to die?
Did you want to die?

Para K (Parte 1)

Era uma noite de domingo perigosa,
A maioria de nós estava bem em uma cama
Eu desliguei a luz,
Então eu ouvi as sirenes
Interromperam o silêncio
É isso que você queria,
cometer um crime?
É isso que você queria,
cometer um crime?
É isso que você queria,
cometer um crime, cometer um crime, cometer um crime?
Você era um cara legal, muito brilhante,
Ganhar dinheiro da forma certa é difícil
Culpada era a sua situação,
Agora ele ficará em uma cela de prisão
Por alguns 30 anos
É isso que você queria,
Para servir o tempo?
É isso que você queria,
Para servir o tempo?
É isso que você queria?
Para servir o tempo, servir o tempo, servir o tempo
K é um amigo meu
Eu penso nele, como ele faz falta
Sinto falta do seu vinho branco,
Engraçado, eu não me sinto livre,
Apesar de não ser eu
É isso que você queria,
me deixar para trás?
É isso que você queria,
me deixar para trás?
Era isso que você queria?
Me deixar para trás, me deixar para trás, me deixar para trás?
No ano passado eles decidiram
Que o seu tempo acabou, e então ele tentou
Duplo homicídio,
Colocaram-no no corredor da morte,
Embora não fosse para dar uma volta
É isso que você queria,
Você queria morrer?
É isso que você queria,
Você queria morrer?
É isso que você queria,
Você queria morrer, queria morrer, queria morrer?
Você queria morrer, queria morrer, queria morrer?
Você queria morrer?

 

giphy

 

Agora que já lemos a canção original feat. tradução, vamos entender o que May quis dizer nessas linhas tão criminal. No começo da música vemos a expressão “drive-by”, apesar de na tradução estar no sentido de “perigo”, também pode ser interpretada “tiroteio”, ou seja, um tiroteio, provavelmente, ocorreu durante um domingo de madrugada. Temos essa noção de tempo, porque May diz estar na cama com a luz apagada, porém, sirenes de ambulância/polícia interromperam o silêncio da madrugada. Com toda essa confusão, ela questiona de forma sarcástica se cometer um crime era o que K planejava. Com certa indignação é contado que o criminoso era uma pessoa legal, com um bom emprego, mas passaria 30 anos na prisão pelo ato culposo que cometeu, por isso, a cantora repete a mesma pergunta sarcástica anterior, mas dessa vez quer saber se ele queria aquilo o tempo todo. Depois disso tudo, temos a primeira informação de que K é amigo de May Jailer, ela pensa nele sempre com sentimento de saudade e das lembranças de quando tomavam vinho branco juntos. Por conta dessa privação da companhia do rapaz, a jovem não se sente mais livre, mesmo não sendo ela quem está na prisão e pergunta mais uma vez se K cometeu aquele crime para deixá-la para trás. Finalmente May nos esclarece qual foi o crime cometido por K, após ter sido julgado na tentativa de redução da pena de 30 anos, mas isso não foi possível, porque descobriram que ele cometeu duplo homicídio, o que o levou à sentença de morte. Com um final triste e surpreendente, May Jailer termina a canção perguntando se K havia cometido aquele duplo homicídio porque queria morrer. Dessa forma, galera, fica a dúvida no ar sobre o real motivo do assassinato cometido.

A.k.a_Lizzy_Grant

 

Após a análise da primeira parte de For K, vamos entender a segunda. For K (Part 2) está no primeiro álbum, em estúdio, de Lana Del Rey chamado Lizzy Grant A.K.A. Lizzy Grant (A.K.A = Also know as – também conhecida como), publicado em 2010 via download digital sob o nome Lizzy Grant, no qual houve colaboração de David Kahne na criação de algumas canções. Diferente de Sirens, o álbum de 15 músicas teve produção mais elaborada por ser produzido num estúdio. Assim, vamos ver a letra e a tradução da 15ª faixa.

 

 

 

For K (Part 2)

All right, you got me,
I don’t play a good guitar
But what do want from me,
it’s just a stupid bar
I didn’t promise anything, no
You think I’m pretty
and you like the way I talk
I like your music
and you like the way I walk
So, I think we’re going get along
I like the way you wear
your sweater off your shoulder
The way your hair comes down
and makes you look older
How are you getting so handsome, my boy?
Pretty baby
Pretty baby
The way your face is shaped,
I wonder if you know
The way you stand up
and your silhouette glows
I’m electrified,
I’ll be up all night now
Use that voice, sing that song
And tell me to come on,
to come on, come on
You won’t hear no
You won’t hear no
Pretty baby
Pretty baby

Para K (Parte 2)

Tudo bem, você me pegou,
eu não toco violão bem
Mas o que você quer de mim,
é só um estúpido bar
Eu não prometi nada, não
Você acha que eu sou linda
e você gosta de como eu falo
Eu gosto da sua música
e você gosta de como eu ando
Então, eu acho que vamos ficar juntos
Eu gosto de como você veste
seu casaco fora do seu ombro
O jeito que seu cabelo desliza
e faz você parecer mais velho
Como você fica tão bonito, meu garoto?
Lindo garoto
Lindo garoto
O jeito que seu rosto é desenhado,
eu imagino se você sabe
O jeito que você fica em pé
e sua silhueta ilumina
Estou eletrificada,
estarei acordada à noite toda agora
Use essa voz, cante aquela canção
E me diga para chegar perto,
para chegar perto, chegar perto
Você não vai ouvir não
Você não vai ouvir não
Lindo garoto
Lindo garoto

 

Pool

 

Lizzy Grant inicia a canção de forma satírica, porque, como cantava em bares, mostra-nos uma suposta piada que K fez com ela a respeito de ela não saber tocar violão, mas nem se importam, pois não foi prometido nada naquele bar estúpido. Assim Grant começa a mostrar interesse no garoto e vê possibilidade de eles terem um caso, já que K a acha linda, gosta do jeito que ela fala e caminha; a cantora, por sua vez, diz gostar das músicas do pretty baby, da forma como o casaco fica caído em seu ombro e, claro que não podia faltar, Lizzy gosta da forma como o boy parece mais velho. Como são usados os termos boy e baby na canção, supõe-se que Lana, quando compôs, realmente se referia a um garoto, e por gostar tanto dele, questiona como consegue ser tão lindo. Há contínua descrição da paixão de Lizzy por K por meio das observações do rosto e silhueta do rapaz que a deixa eletrificada. Como ela canta: “Use that voice, sing that song”, provavelmente K seja um cantor. De forma romântica e encantada com esse novo romance, Lizzy pede para que K a chame para mais perto dele, pois ela não vai negar seu pedido.

Summer

Como podemos perceber, For K (Part 2) parece o início do relacionamento entre Elizabeth Grant e K, já a canção For K (Part 1) é mais elaborada e nos mostra o desfecho desse possível relacionamento, já que há a separação deles devido a prisão de K. Assim, não sabemos qual foi realmente a história de Lana Del Rey com K, se ele pode ter sido duas pessoas distintas em momentos distintos, muito menos se ele existiu realmente, mas que daria um ótimo filme de curta metragem romântico… Ah, essas canções dariam!

Espero que tenham gostado, beijos!

 

Kiss

Por Pedro Bossonario

Pedro Bossonario
Estudante de enfermagem pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - USP, porém, Apaixonado por pinturas, livros, filmes, músicas, cantores, artistas, fotografia, tudo que envolva cultura. Gosta de criação e publicações de imagens e textos, então decidiu iniciar por uma de suas cantoras preferidas.
  • júlio Ary

    ótima análise! realmente eu viajo muuuito com essas duas músicas.

TOPO