Dan Heath fala sobre ‘Big Eyes’, música que ele escreveu com Lana Del Rey para o filme de mesmo nome de Tim Burton

por / quarta-feira, 07 janeiro 2015 / Publicado emEntrevistas

Dan HeathEm entrevista ao site Gold Derby, Dan Heath falou sobre  o seu trabalho com Lana Del Rey na música Big Eyes, composta para o filme homônimo de Tim Burton, que já está em exibição nos Estados Unidos e estreia no Brasil no dia 5 de Fevereiro desta ano. Confira a tradução:

Dan Heath sobre seu trabalho com Lana Del Rey na música-título ‘Big Eyes’ (Vídeo exclusivo)

dan-heath-lana-del-rey

“A parte mais desesperadora do processo é não ser capaz de fazer o que é certo”, diz o compositor Dan Heath (assista nossa entrevista em vídeo abaixo), que trabalhou com a pop star Lana Del Rey compondo a canção-título do último filme de Tim Burton, “Big Eyes”.

Heath trabalhou com Del Rey em uma variedade de músicas e juntos os dois tentaram criar uma coisa que daria certo para o filme enquanto se mantinham fiéis ao estilo muito específico deles. “A coisa mais importante para mim foi ouvir a música no filme que Danny Elfman fez, e assistir ao filme e entrar dentro do estilo dele, mas também fazer algo que continuasse fiel ao que (Lana e eu) fazemos, nossas músicas, talvez dando a elas um sentimento mais cinemático e exuberante do que elas teriam em um álbum.”

A ideia para a música veio para Del Rey ao ver o filme pela primeira vez, o qual conta a verdadeira história de como Walter Keane (Christoph Waltz) construiu um império levando os créditos pelas pinturas de sua esposa Margaret (Amy Adams) de crianças com grandes olhos anormais. “Lana viu o filme primeiro e veio com a ideia do hook ‘big eyes, big lies'”, diz Heath, se referindo ao refrão que reaparece por toda a música. “Eu a gravei em uma pequena mensagem de voz e comecei a construir a música sob o que ela havia cantado”. Heath adiciona que ele queria a melodia “muito mágica, não muito pesada, mas não muito leve, e muito comovente”.

Heath fala profundamente sobre o processo de escrever a música, finalmente resumindo dizendo “Eu acho que ela fez um bom trabalho retratando a voz de Margaret Keane no filme. Eu acho que é um bom mix entre obscuridade, tristeza e introspectividade em uma grande espécie de refrão triunfante e meio-zangado.”

Ele e Del Rey foram nominados no Globo de Ouro pela música e estão atualmente no quarto lugar com 14/11 de chance para ganhar o Oscar. Eles tem que lutar contra John Legend e Common pela música “Glory” do filme “Selma“, atualmente em primeiro lugar com 15/8 de chance.

Confira a entrevista completa abaixo e mais informações sobre a criação da faixa:

Confira a transcrição traduzida da entrevista:

Zach Laws: Dan Heath, Lana Del Rey e você escreveram a música intitulada “Big Eyes”, para o novo filme Big Eyes! Você poderia falar sobre como acabou se envolvendo nesse projeto?
Dan Heath: Bem, Lana me ligou e me disse “Harvey [Weinstein] pediu para que eu escreva uma canção para o novo filme do Tim Burton, Big Eyes e quero que você trabalhe nela comigo”. E então meu coração começou a bater muito rápido porque eu sou um grande, grande fã do Tim Burton e… Tudo aconteceu muito rápido, na verdade, porque ela estava voltando de Nova Iorque e nós nos encontramos e jantamos com Harvey naquela noite e… Bem, sabe, a primeira versão da música estava pronta, bem simples… Eu queria assistir ao filme, então eu o vi nos dias que se seguiram, o que me ajudou a construir uma primeira versão da música rapidamente depois disso… Então foi assim que tudo começou.

Zach Laws: Agora, como você chegou na canção exatamente? Acho que vocês começaram com o título, “Big Eyes”. (sorri) Mas como vocês seguiram a partir daí?
Dan Heath: Bem, Lana assistiu ao filme primeiro e ela teve a ideia do verso ‘Big eyes / big lies’ (Grandes olhos / grandes mentiras) no refrão e, de verdade, quando ela voltou de Nova Iorque ela me mostrou essa ideia e então o processo a partir daí foi… Eu gravei a voz dela nessa parte e comecei a construir a música por baixo da voz, por baixo do que ela havia cantado. Então, mudamos os acordes, comecei a imaginar uns arranjos… Na verdade, a energia da canção… Eu queria que ela fosse mágica, não muito pesada, mas também não muito leve, porém realmente tocante. Então, foi assim que nós tivemos as ideias, mas o refrão ‘Big eyes / big lies’ foi dela desde o início… O que é perfeito para o filme porque tudo gira em torno disso na história.

Zach Laws: Certo. E você alguma vez encontrou ou se consultou com Tim Burton… Alguma vez ele falou com você o que ele queria, sabe… Deu alguma informação sobre a música…
Dan Heath: Majoritariamente, eu estava trabalhando mais com a Lana porque eu acho que nós passamos por algumas versões diferentes da música antes de apresentá-la para o Tim, para que ele ouvisse, e foi muito muito muito legal quando fomos mostrar a canção para ele porque ele amou, elogiou muito, foi emocionante porque eu… Pra mim significou muito porque eu sou um grande fã dele.

Zach Laws: Certo! Vamos falar agora, sabe, sobre o filme… Que trata bastante de arte… A arte que vem de algum lugar de dentro de você e você não pode simplesmente construí-la no mundo real… Como isso afetou na escrita da música?
Dan Heath: Bem, eu acho que ela tinha que ser bem triste e depressiva e coisas do tipo e, definitivamente, no refrão ela explode em um grande momento, como se ela [Lana/Margaret] estivesse irada, ‘with your big eyes, and your big lies’ (canta), tinha que ser muito tocante também e… Eu realmente gosto da forma como ela acalma nos versos e explode no refrão, minha parte favorita na verdade é a ponte onde tudo meio que se acalma, e eu gosto dessa coisa dos violinos descerem, as cordas diminuírem… Que termina com a Lana dizendo ‘It’s amazing what women in love will do’ e então tudo explode e é o último refrão. Mas eu acho que ela fez um bom trabalho ao tentar representar a voz de Margaret Keane no filme, a música faz isso muito bem, então… Eu acho interessante esse fato de a música soar triste e introspectiva para logo em seguida se transformar em um refrão de ódio.

Zach Laws: Certo…
Dan Heath: Se isso faz sentido! Não sei se faz sentido.

Zach Laws: Não, com certeza faz sentido, sua resposta foi provavelmente melhor do que minha pergunta, obrigado (risos). Você é muito gentil! Então, você e Lana conseguiram uma nomeação ao Globo de Ouro pela canção, uma nomeação 14/1, fale-me sobre…
Dan Heath: O que está sendo incrível!

Zach Laws: Então… Fale um pouco sobre… A atenção que você está recebendo pela nomeação, se isso têm afetado você de alguma forma, sabe… Se você já está arrumando um local para colocar o prêmio…
Dan Heath: (rindo muito) Bem, eu ainda não arrumei um local, mas é incrivelmente sensacional ser nomeado, é fascinante, é… É… É enlouquecedor, é brilhante… É maluco… Eu preciso dizer, é como um sonho, é algo que eu nunca achei que aconteceria, algo que… É realmente muito legal saber que tem pessoas que responderam tão bem à música e que ela se encaixou tão bem no filme… E, eu diria que o que é mais excitante a respeito é que eu estou levando minha irmã ao Globo de Ouro comigo e estou muito ansioso, acho que vai ser uma noite divertida… Se ganharmos ou não, acredito que vá ser uma experiência ótima, eu vou poder conhecer alguns dos meus próprios heróis, alguns dos meus heróis da música, estou bastante ansioso para isso, então…

Zach Laws: Maravilhoso.
Dan Heath: Desculpe?

Zach Laws: Eu disse ‘maravilhoso’! Então, fale um pouco sobre colaborar com Lana Del Rey… Sabe, como é o seu processo ao trabalhar com ela…
Dan Heath: Bem, nós somos amigos há muito tempo e eu realmente a amo muito, ela é uma garota incrível e… O processo, as vezes ele funciona de duas formas.
As vezes ela me envia um verso com uma melodia e eu construo a música em volta, que foi o que aconteceu com “Big Eyes”… E outras vezes eu escrevo uma peça no piano, ou em cordas, ou uma faixa instrumental pronta e ela constrói a melodia e os versos por cima e ela é muito… Ela gosta de fazer a própria melodia e versos, mas é ótimo fazer parte disso porque eu consigo criar a magia e a energia em torno…
E então, entende, se não sou escrevendo meio que uma faixa instrumental para que ela cante em cima, é ela me enviando uma melodia para que eu possa construir uma peça musical em volta de sua voz… Essas são as duas formas que nós colaboramos e parece funcionar muito bem ambos os jeitos, de verdade, e isso é novo pra mim… Tem sido novo pra mim, nós fizemos três ou quatro faixas agora, nas quais ela construiu a melodia e eu fiz a música, e fizemos três ou quatro faixas onde eu escrevi a música e ela cantou a melodia por cima disso… Funciona muito bem, ambos os jeitos.

Zach Laws: Uhum. E, você sabe, quando se trata de compor músicas para filmes, eu sinto que nada pode contribuir ou estragar um filme mais do que a trilha sonora… Então, fale um pouco sobre a pressão de compor a música perfeita para algo como… A forma como o que você faz afeta o impacto geral que o filme possui.
Dan Heath: Bem, eu, eu estava pensando sobre isso e… A parte mais desesperadora do processo é não ser capaz de fazer o que é certo e, para mim, eu acho, a coisa mais importante foi ouvir a música no filme, como Danny Elfman havia feito, assistir ao filme e entrar de cabeça na história… Mas, além disso, fazer algo que permanecesse verdadeiro àquilo que eu e Lana estamos acostumados a fazer, nossa sonoridade, com, talvez, a adição de algo mais cinemático e suntuoso do que seria a composição caso ela fosse para um álbum.  E, eu acho, o processo físico da escrita é a parte mais fácil de certa forma, porque eu sinto que é isso que eu e Lana fazemos, nós meio que fazemos esse som cinemático, suntuoso… Que vem à minha cabeça muito facilmente, eu acho.
Definitivamente a parte mais difícil do processo, eu acho, é apertar o botão de enviar do e-mail com o mp3 anexado e imaginar o que as pessoas vão pensar quando elas receberem e ouvirem a canção e, ainda bem, até então temos recebido respostas muito positivas, o que tem sido incrível… Mas, eu… Sim, acho que isso responde sua pergunta.

Zach Laws: Sim, isso foi maravilhoso. Muito obrigado por tirar um tempo para conversar conosco e parabéns pelo filme.
Dan Heath: Muito obrigado, muito obrigado de verdade, foi um prazer conhecê-lo.

Zach Laws: Foi um prazer conhecê-lo também, muito obrigado.
Dan Heath: E obrigado por me ajudar a descobrir todas essas coisas também!

Zach Laws: Não, nada disso, você é incrível, muito natural! (risos)
Dan Heath: Certo, se cuida, então!

Zach Laws: Você também, muito obrigado!
Dan Heath: Adeus!

 

Por Zach Laws
Tradução (texto) por Bruna Barcelos e Willan Hesley
Tradução (vídeo) Wesley Lima

 

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
TOPO