ICONIC SOUL | Os Reinados de Lana Del Rey: De Rainha do Desastre à Rainha de Saigon

por / segunda-feira, 03 novembro 2014 / Publicado emColunas, Iconic Soul

Por Raphaella Paiva

A cantora Lana Del Rey pode ser conhecida por muitos como uma artista melancólica, profunda e dona de ares da Hollywood de Ouro, mas poucos tiveram a atenção de notar que ela também possui um ar de realeza que vai muito além de suas composições. O que isso quer dizer? Bem, preparem-se, senhoras e senhores, coloquem o manto de veludo e firmem suas coroas de diamantes, porque vamos saudar a rainha dentro das canções de Lana Del Rey.

                                                         Blue hydrangea, cold cash, divine                Hortênsia azul, dinheiro frio, divino
                                               Cashmere, cologne and white sunshine               Cashmere, colônia e branca luz do sol
                                                                                             Red racing cars              Carros vermelhos de corrida
                                                                                               Sunset in vine                Videira ao pôr-do-sol

                                                             The kids were young and pretty                As crianças eram jovens e lindas
                                            Where have you been? Where did you go?               Onde você esteve? Pra onde você foi?
                                                                                  Those summer nights               Aquelas noites de verão

                                                                                               Seem long ago               Parecem ter sido há tanto tempo
                                                           And so is the girl you used to call               E essa é a garota que você costumava chamar
                                                            The Queen of New York City               De rainha da cidade de Nova York

Essa é a primeira estrofe da canção Old Money, uma das últimas faixas do álbum Ultraviolence. No entanto, essa assinatura de Lana Del Rey começou muito antes de sua fama – começou quando ela ainda era uma cantora desconhecida que simplesmente amava a palavra Queen [rainha].

Lá no início de sua carreira, a jovem ainda era apenas mais uma em busca de algo mais na imensa Nova York, mas desde então compunha músicas em que ela frequentemente chamava seu amor de “rei” e que ela era sua “rainha.”

“You’re my one king, daddy / I’m your little queen, red, white and blue” (Você é meu único rei, paizinho / Eu sou sua pequena rainha, vermelho, branco e azul), Lana cita nos versos de Axl Rose Husband, uma de suas antigas canções. Nesta música, ela delira com um universo paralelo onde Axl – o vocalista da banda Guns ‘n’ Roses – seria seu marido e logo brinca com as cores da bandeira americana, mostrando seu amor pela pátria e o significado existente na linha tênue entre o amor de sua nação e o amor de seu homem.

As palavras da realeza “rei” e “rainha” parecem significar o pedestal máximo para Del Rey, como se o fato de eles possuírem o amor os engrandecesse ao ponto de eles serem verdadeiros reis e rainhas, donos de seus próprios universos e livres de qualquer mal inferior.

Na canção Queen of Disaster podemos ver essa grandeza mesmo em algo que muitos considerariam um defeito.

                                              You got me spinning like a ballerina              Você me tem girando como uma bailarina
                               You’re the bad boy that I always dreamed of               Você é o bad boy que eu sempre sonhei
                                                                  You’re the king and, baby                Você é o rei e, amor

                                                  I’m the queen of disaster, disaster                Eu sou a rainha do desastre, do desastre

Aqui podemos ver que ser a rainha do desastre não é uma coisa tão ruim assim, afinal ela está apaixonada pelo cara que sempre quis ter e que finalmente a ama. “No other boy ever made me feel beautiful / When I’m in your arms, feels like I have it all / Is it your tattoos or golden grill / That makes me feel this way?” (Nenhum outro garoto jamais fez eu me sentir linda / Quando estou em seus braços, sinto como se tivesse tudo / São suas tatuagens ou seus dentes de ouro / Que fazem eu me sentir assim?). Os dois são os donos do desastre – juntos – e isso basta.

Mas e quando esse amor acaba?

“Once you and I, we were the king and queen of this town / It doesn’t matter now / The sun set on our love, bye, baby” (Certa vez você e eu fomos o rei e a rainha dessa cidade / Isso não importa agora / O sol se pôs em nosso amor, adeus, querido). Nesses trechos de Starry Eyed – também uma de suas antigas canções vazadas na internet – somos apresentados ao conceito de realeza que morreu conforme o fim do amor. É como se, com o amor extinto, eles não fossem mais um casal unido e protegido do mundo como rei e rainha.

No entanto, o conceito de realeza como o máximo poder de beleza e força continuou presente nas canções de Del Rey, e eu diria que cada vez mais. E foi aí que a jovem se apaixonou pelo termo “beauty queen” [rainha da beleza] e passou a usar frequentemente.

                                                       Well, I can tell that you’re the type           Bem, eu posso dizer que você faz o tipo

                                                             To never trust a beauty queen             Que nunca confia em uma rainha da beleza

                                                       But I was never voted for nothing            Mas eu nunca fui votada pra nada

                                                          And high school never meaned               E o ensino médio nunca significou

                                                                           Anything to anybody               Nada pra ninguém

                                                           Never ever gave myself away               Eu nunca me deixei levar

Aqui temos os trechos de You’re Gonna Love Me e podemos ver que essa rainha da beleza ainda possui falhas. Lana continuamente mostra vulnerabilidade em suas composições, sempre dizendo que os outros a acham linda e que ela pode ser bela, mas que ainda sofre de problemas como insegurança e teme só ser amada por sua aparência. Podemos ver isso em Young And Beautiful e Old Money, por exemplo, onde ela diz “Você ainda vai me amar quando eu não for mais jovem e bonita? / Você ainda vai me amar quando eu não tiver nada além da minha alma dolorida?” e “Você ainda vai me amar quando eu brilhar pelas minhas das palavras e não pela beleza?”, respectivamente.

O fato de agora ela ser uma beauty queen não quer dizer que ela sempre tenha sido assim ou que ela sempre será. Muitos sabem como Lana é insegura e tímida e teme o desconhecido – como qualquer ser humano – e essa fragilidade se transporta em suas letras mesmo quando muitos acham que, na verdade, ela seja forte ou ame ser tão bela.

E essa “rainha da beleza defeituosa” também é vista em Because of You, em que ela canta “I was a kid who could only drink / Dancing in tables, making deal with devils / Like a drunk beauty queen” (Eu era uma menina que só sabia beber / Dançando nas mesas, fazendo pacto com demônios / Como uma rainha da beleza bêbada), e também em This Is What Makes Us Girls com “The prettiest in crowd that you had ever seen / Ribbons in our hair and our eyes gleamed mean / A freshmen generation of degenerate beauty queens” (A multidão mais linda que você já viu / Fitas em nossos cabelos e nossos olhos brilhando maldade / A mais nova geração de rainhas da beleza degeneradas).

Pesado, não é? Del Rey muitas vezes usa dessa ponta de sarcasmo como uma forma de denunciar a própria garota que já foi no passado e que tantas garotas ainda são. Paris Hilton, Lindsay Lohan… Regina George – essas são as “rainhas da beleza degeneradas”, superficiais, perigosas, malvadas e que, mesmo sendo lindas, são defeituosas ao usarem drogas, beberem demais, festarem demais e serem arrastadas pelo submundo da vida perfeita. Notaram a semelhança com Carmen, o alter-ego da cantora e música de mesmo nome? Pois então.

Carmen é um dos apelidos de Dolores Haze, mais conhecida como Lolita pelo famoso livro de Nabokov, o qual Lana Del Rey é tão fã. Ambas são defeituosas beauty queens, malvadas e cheias de erros, mas dominam tudo o que tocam.

                                                                                      Carmen, Carmen              Carmen, Carmen

                                                                             Staying up till mornin              Ficando acordada até de manhã

                                                                                          Only seventeen              Apenas dezessete anos

                                                            But she walks the streets so mean        Mas ela anda tão malvada pelas ruas

                                                                                   It’s alarming truly             É honestamente alarmante

                                                                 How disarming you can be              Como ela consegue desarmar

                                                                             Eating soft ice cream               Tomando sorvete cremoso

                                                                        Coney Island queen              Rainha de Coney Island

 

Rainha de Coney Island, esse talvez seja um dos “títulos de realeza” mais conhecidos de Del Rey. A cantora se mudou para Nova York aos 18 anos e durante muito tempo de sua vida por lá, ela morou em Coney Island, uma pequena ilha ao sul de Manhattan conhecida pelo cenário underground e parques de diversão (Lembram daquela cena de Sr. & Sra. Smith onde Brad Pitt e Angelina Jolie vão a um parque e ela arrasa no tiro ao alvo? É esse mesmo).

O fato de a jovem ter morado tanto tempo lá, fez com que ela se sentisse a verdadeira rainha do lugar – cantora em ascensão, louca por farras, andando toda malvada pelas ruas e se divertindo com os amigos, esse era o conceito de ser a rainha, a dona de Coney Island. Ela inclusive cita esse termo também na música Off To The Races: I’m your little harlot, scarlet / Queen of Coney Island / Raising hell all over town (Eu sou sua pequena meretriz, perigosa / Rainha de Coney Island / Tornando a cidade num inferno).

Da mesma forma, Lana nomeia a si mesma como a Rainha da Dança de Nova Jersey em Hundred Dollar Bill. Poucos sabem que ela já morou lá por um tempo, onde vivia em um parque de traileres com o namorado – o suposto Jim que ela cita tanto nessa música como em Motel 6 e Ultraviolence. I’m in my party dress / He say: ‘you such a mess’ / I am the New Jersey Dance Queen (Estou usando meu vestido de festa / Ele diz: “você é uma bagunça” / Eu sou a rainha da dança de Nova Jersey).

Entre muito mais títulos dentro das canções de Del Rey, podemos observar os termos Rainha do Palco em Hit And Run, que diz “And there’s me, little queen of the stage, yeah / He’s a god, one the stars call creator / Hail the king of the industry players” (E tem eu, pequena rainha do palco / Ele é um deus, quem as estrelas chamam de criador / Salve o rei da indústria da música). Nessa canção específica há o sarcasmo da cantora sobre a perigosa indústria da música, onde você tem que fazer de tudo para agradar ao rei dos contatos a fim de se tornar sua pequena rainha, só assim recebendo os “benefícios” suficientes para se lançar no mundo do entretenimento.

Um cenário semelhante é a da polêmica So Legit, uma canção vazada em que Lana ironiza a fama repentina de Lady Gaga, sua ex “competidora”, já que ambas dividiam o mesmo empresário quando ainda eram duas desconhecidas em Nova York.

                                                                                 You called me the               Você me chamava de

                                             Queen of the downtown scene, babe               Rainha da cena undergroung, amor

                                        How the fuck would you go switch it up             Como diabos você muda

                                                                          And then replace me?              E depois me substitui?

                                                                   I don’t get it, I’m so legit               Eu não entendo, eu sou tão legítima

[…]

                                                                                Stefani, you suck                  Stefani, você é uma merda

                                          I know you’re selling twenty million                  Eu sei que você está vendendo vinte milhões

                                                    Wish they could have seen you                   Gostaria que eles pudessem ter visto

                                        When we booed you off in Williamsburg             Quando vaiamos você em Williamsburg

[…]

                                                         What happened to Brooklyn?                  O que aconteceu com o Brooklyn?

                                             What happened to our scene, baby?                  O que aconteceu com a nossa cena, amor?

                                                    Have we all gone Gaga crazy?                    Todos nós ficamos loucos pela Gaga?

Na canção é quase óbvia a confusão de Lana quando o empresário supostamente a deixa de lado e investe apenas na Gaga (a qual o nome real é Stefani, como mostra nas estrofes). Assim, a Rainha da Cena Underground se vê perdida quando é substituída por uma imagem falsa e excêntrica, segundo podemos interpretar – então ela se pergunta o que houve com tudo aquilo, o que aconteceu pra ser trocada, pra ter a verdadeira identidade de Nova York trocada pelo Gaga crazy? Novamente, a rainha defeituosa.

Em letras como as de Crooked Cop, Heavy Hitter e Go Go Dancer notamos termos como Rainha de Floco de Gelo (He says I’m his snowflake ice queen / Ele diz que sou a rainha de floco de gelo dele), Rainha da Alquimia (I’m the Queen of Alchemy / I know a way to make gold by mixing our souls to escape reality / Eu sou a Rainha da Alquimia / Eu conheço um jeito de fazer ouro misturando nossas almas para fugir da realidade), a qual ela faz uma referência às drogas, e Rainha da Noite respectivamente.

No entanto, entre tantas essas, Lana Del Rey deu espaço a uma antiga música de um de seus primeiros álbuns, chamada Queen of The Gas Station [Rainha do Posto de Gasolina]. Soa cru e até estranho, não soa? Mas essa era exatamente a intenção.

Give me coffee, king-sized cup           Sirva-me um café, uma xícara grande

  Come on, kitty cat, fill her up           Venha aqui, gatinha, encha tudo

What’s your name, little buttercup?   Qual o seu nome, docinho?

                   That’s for me to know           Só pra eu saber

                       And you to make up          E você poder se aprontar

 Love casinos, Indian reservations     Amo casinos, reservas indianas

             But, baby, if you love me            Mas, amor, se você me ama

            Take me to the gas station         Leve-me ao posto de gasolina

[…]

I’m trying to tell you what I dream of     Estou tentando dizer meu desejo

                          And that’s gas stations      E é o posto de gasolina

                          With slurpee machines      Com máquinas de slurpee

                               And organs playing       e órgãos tocando

        Preferably with smoking inside       De preferência podendo fumar lá dentro

                                If you can swing it        Se você pode conseguir isso

                    And I’d be real pleased if        Eu ficaria realmente satisfeita se

        We could find one just like here       Nós pudermos encontrar um igualzinho o daqui

É divertida a forma que Lana se mostra tão simples e realmente satisfeita ao trocar cassinos e hotéis de luxo por um posto de gasolina com doces e bebidas geladas, onde ela e seu homem podem fumar e dançar ao som do jukebox no melhor estilo Mickey e Mallory Knox.

E por aí seguimos o Rainha Pin-Up de Calendário em Puppy Love (You make me wanna be like one of those girls / Calendar pin-up queen, in platinum curls / Você me faz querer ser como uma daquelas garotas / Rainhas Pin-Up de calendário, com cachos platinados), Rainha Diana em Prom Song (You used to call yourself ‘the Don’ and me ‘Queen Diana’ / Você costumava se chamar de ‘Don’ e eu de ‘Rainha Diana’) que se refere a Lady Di, e Triste Rainha dos Anos 50 na música Methamphetamines.

Não podemos esquecer, é claro, de Sparkle Jump-Rope Queen [Brilhante Rainha do Pula-Corda] que além de estar na letra de Put Me In a Movie, foi um dos nomes artísticos de Lana bem no início de sua carreira. Esse provavelmente seria o modo que seu namorado a chamava, já que ela disse várias vezes preferir homens mais velhos e fazer o estilo Lolita, como falamos anteriormente.

E finalmente chegamos ao termo da realeza que muitos fãs ainda têm dificuldade em entender: o tão famoso Rainha de Saigon. Para quem não sabe, Saigon é uma cidade no Vietnã, considerada o maior centro financeiro do país e que foi disputada entre o Vietnã do Norte e do Sul sendo, em 1975, tomada de vez por essa última. Tal fato é conhecido mundialmente como “A Queda de Saigon”, o marco do fim da guerra do Vietnã que, como muitos sabem, foi financiada pelos Estados Unidos e União Soviética e é conhecida como uma das “guerras clandestinas” da Guerra Fria.

Desta forma, Lana costuma citar a cidade em suas músicas ao se denominar Rainha de Saigon – o que você pode considerar como sendo uma rainha poderosa e disputada, que possui forças além do que é subestimada e causa verdadeiros estragos. Um ponto referencial, de fato, e uma rainha de verdadeiro poder e influência.

                                                                           I’m your National Anthem               Eu sou seu Hino Nacional

                                                                                  Boy, put your hands up              Garoto, levante suas mãos

                                                                        Give me a standing ovation                Aplauda-me de pé

                                                                                  Boy, you have landed                  Garoto, você pousou

                                                                                   Baby, in the land of                    Amor, em uma terra de

                                                                              Sweetness and danger                  Doçura e perigo

                                                                                  Queen of Saigon                     Rainha de Saigon

                                                                                                                                          – National Anthem

                                                           Baby, you’re my Bugsy Malone                Amor, você é meu Bugsy Malone

                                                                And I’m your suicide blonde                E eu sou sua loira suicida

                                                               You can be my film noir star                Você pode ser meu filme noir

                                                             I’m your queen of Saigon                 Eu sou sua rainha de Saigon

     – Live or Die

                                                                      Down on the West Coast                Lá na Costa Oeste

                                                                              They got their icons                 Eles têm seus ícones

                                                                             Their silver starlets                  Suas estrelas prateadas

                                                                Their Queens of Saigon                 Suas rainhas de Saigon

– West Coast

Em Live or Die, há a comparação entre Saigon e os filmes de gângsteres, como Bugsy Malone, aproximando o perigo através do dinheiro e da violência presente em ambos; já na mais nova música, West Coast, Lana compara as famosas celebridades de Hollywood às rainhas de Saigon – permeadas do perigo e feitas de marionetes por entidades maiores, embora ainda contenham o poder e a influência sem precedentes.

E através de tudo isso, podemos observar a riqueza que vai muito além de boas melodias e arranjos, observamos também um poder de palavras e conhecimento muito grande por meio das canções de Del Rey. Uma verdadeira aula de história quando paramos pra pensar.

Da cantora da cena underground de Nova York, menina malvada de Coney Island que prefere postos de gasolinas por ser uma verdadeira rainha do desastre, Lana Del Rey se tornou uma rainha de Saigon dentro do cenário pop (sim, por que não pop? Sua música pode não ser comercial como as de Gaga ou Britney Spears, mas contém a mesma força sem fronteiras). Nossa querida rainha do desastre que superou seus problemas e trapaças, que surgiu na Costa Oeste como uma brisa de ar fresco e agora domina não apenas toda a Europa e os EUA, mas o mundo.

Podemos dizer que a Rainha de Nova York que vemos desde velhas canções como Us Against The World e Making Out, a Rainha da Beleza que adora penteados altos como em Summertime Sadness e a Rainha Solitária de The Other Woman, se tornou também a rainha de cada um de nós. Foda-se se isso soa clichê, todos merecemos uma pitada de romantismo de vez em quando.

E é isso o que Lana Del Rey continua trazendo de volta lá da Hollywood de Ouro para os dias atuais – o velho romantismo das músicas dignas de reis e rainhas.

Raphaella Paiva
Escorpiana, 20 anos. Estudante de Letras - Português pela Universidade Federal de Goiás, escritora em pré-contrato e uma beatnik nascida na época errada. Descobriu Lana Del Rey em 2011 quando Video Games roubou seu coração, tornando-se uma tradutora, redatora e colunista que adora um teste do sofá no Addiction. Cinéfila que também ama jazz e blues, Pink Floyd, Arctic Monkeys, Kristen Stewart, Marilyn Monroe e qualquer coisa escrita ou filmada por Woody Allen.
  • Raphael Kaiston

    Parabéns.. 🙂 adorei o texto

  • Anah Vizoto

    Ótimo texto!

  • Karlen Lavigne

    Perfeito, ameeei <3

TOPO