ANÁLISE | As críticas metafóricas que levaram Lana Del Rey até o topo – uma análise de Fucked My Way Up to the Top

por / domingo, 20 julho 2014 / Publicado emAnálises, Colunas

wes1

Fucked My Way Up to the Top” é sem dúvida, uma das letras mais brilhantemente sarcásticas que Lana Del Rey já escreveu. A ironia se faz presente desde o título e se estende ao longo de toda a canção, por versos ácidos nos quais Lana não tenta esconder a sensação de ser, hoje, um grande nome na música.

A questão que permanece é: porque Lana teve que f**** seu caminho até o topo? Em recentes entrevistas, a cantora mencionou que escreveu a canção pensando em uma outra personalidade da música que inicialmente desdenhou do seu estilo, mas que posteriormente o copiou. A partir daí, teorias surgiram: e se o foco da crítica fosse Lizzy Grant, a cantora que por anos habitou os redutos de New York, cantando em bares e pubs em busca do estrelato? A jovem loira que aos poucos conquistou os subúrbios do Brooklyn, com sua voz suave e melancolia no olhar?

Se Lizzy Grant for o “Fucked My Way Up to the Top”, Lana está realizando uma clara crítica à indústria da música e como este é um ramo que valoriza muito mais a sensualidade e imagem dos artistas do que a beleza de suas composições. Ávidos por vendas e grandes hits, as gravadoras exploram os artistas aos extremos, em muitos casos pressionando-os e alterando a originalidade de sua arte. Afinal, a pessoa que escreve as canções sempre foi a mesma: Elizabeth Woolridge Grant. A diferença consiste na aparência e sexualidade de Lana Del Rey, cujos cabelos longos, unhas grandes e glamour hollywoodiano são muito mais chamativos para a indústria do que a simplicidade de Lizzy Grant.

 “Life is awesome, I confess
What I do, I do best
You got nothing, I got tested
And I passed, yes

Lana inicia a música expondo como se sente sendo, hoje, uma estrela. Apesar de todas as dificuldades e obstáculos encontrados pelo caminho, ela declara que a vida é incrível, algo raramente abordado anteriormente em suas canções de caráter tristonho e melancólico. Será que após ter tornado seus sonhos realidade, a tristeza abandonou um pouco Lana Del Rey e hoje ela é capaz de enxergar toda a felicidade e amor ao seu redor que fazem a vida valer a pena?

Lana declara ter sido testada: ela mudou sua aparência, se reconstruiu e apesar de cantar os mesmos temas, a nova aparência a tornou aprovada na indústria da música. Ela passou no teste e alcançou a fama, enquanto Lizzy Grant não conseguiu absolutamente nada.

Lay me down tonight in my linen and curls
Ley me down tonight, Riviera girls

10455917_303423263157496_583343854431053329_n

“Need you, baby, more, more, more, more”

Linen and curls (linhos e cachos) evocam uma ideia de dinheiro e glamour. Linho é um tecido extremamente caro. Ela está cantando que hoje é uma artista rica, glamourosa e principalmente valorizada, devido a quem se tornou. O sarcasmo é claro neste verso: ‘deite-me em coisas caras’.

Riviera Girls” é um show existente em um cassino dos Estados Unidos, no qual mulheres fazem topless e homens escolhem as melhores performances: fica a impressão de que essas mulheres se vendem de alguma forma. De forma sinônima, foi o que aconteceu com Lana Del Rey. Ela foi obrigada a se transformar, reconstruir e vender sua aparência para que suas composições, ou melhor, as composições de Lizzy Grant, fizessem sucesso.

 “I fucked my way up to the top
This is my show
I fucked my way up to the top
Go, baby, go
Go, go, go, go, go
This is my show
Go, go, go, go, go
This is my show

F*** meu caminho até o topo. Por mais que alguns aspectos do passado de Lana Del Rey ainda sejam desconhecidos, grande parte de sua história é hoje divulgada. A cantora que por mais de cinco anos gravou e cantou sob o nome de May Jailer, Sparkle Jump Rope Queen e Lizzy Grant and the Phenomena hoje tem uma grande imagem e está no topo. A palavra “fucked” no refrão clarifica um pouco o quão árduo foi o caminho de Lana até hoje. Mesmo com o sucesso de Video Games e o lançamento do álbum Born to Die em 2012, a cantora foi atacada e massacrada pela crítica mundial como uma imagem fabricada, um fantoche de vendas. O quão difícil será ver a sua história e a sua arte caluniados de formas tão ríspidas por onde você passa? Em “Fucked My Way Up to the Top” Lana atesta: foi difícil, mas eu venci os obstáculos e sozinha construí meu sonho. Esse é o meu show, este é o meu espaço.

I’m a dragon, you’re a whore
Don’t even know what you’re good for

Lizzy era uma pessoa fraca, mas Lana é uma pessoa forte, um verdadeiro dragão. Tudo o que foi dito a seu respeito, todas as negações e as humilhações estão para trás e quem se puser em seu caminho será abrasado pelo fogo de sua música e personalidade forte.

‘Não sei para que você serve’, seria ela cantando para Lizzy. Afinal, as composições são as mesmas, mas Lizzy Grant nunca conseguiu nada com elas. Nunca saiu de Nova Iorque, nunca teve suas músicas tocando no rádio. A Lana se transformou e subiu.

Lay me down tonight in my diamonds and pearls
Tell me something tonight about your favorite girl

Lana retorna à ideia de ostentação com pedras preciosas, referências sempre presentes em sua música.

Ontem ela era rejeitada por todos, hoje é a garota favorita de muitos. O que o dinheiro e o poder não são capazes de fazer? É interessante destacar que “Ultraviolence” é um álbum permeado pela reflexão de como a imagem pública de Lana Del Rey repercutiu em sua vida e em seus sentimentos nos últimos anos. “Money Power Glory” é outra composição que, de certa forma, aborda o assunto. Em pouco tempo, a cantora saiu do fundo das críticas para ascender ao topo da Billboard, mudança essa que alterou drasticamente a opinião de outros a seu respeito. A farsa de 2012 é hoje a queridinha da América.

I fucked my way up to the top
This is my show
I fucked my way up to the top
Go, baby, go
Go, go, go, go, go
This is my show
Go, go, go, go, go
This is my show

De certa forma, “Fucked My Way Up to the Top” me lembra a canção “Radio” do álbum Born to Die. Nessa música, Lana também brinca com a aceitação existente por parte de outros após sua fama. Em Ultraviolence, a cantora age de forma mais brutal e com um sarcasmo mais acentuado, deixando claro que o espaço conquistado por ela não é hoje de mais ninguém. Esse é o seu show.

Need you, baby, like I breathe you, baby
Need you, baby, more, more, more, more
Need you, baby, like I breathe you, baby
Fuckin’ need you, baby, more, more, more, more

Lana nunca canta nada aleatório e essa música não apresenta o amor como tema central, diferente da maioria de suas outras canções. Então, porque ela ‘need you, babe’ e ‘breathe you, babe’? Porque com esse ‘you’ ela faz referência a si mesma. À Lizzy Grant. Preciso de você, Lizzy. Respiro você, Lizzy. Afinal somos uma e compomos juntas. Os meus sentimentos são os seus sentimentos. Se hoje minha aparência é essa e ela reflete diretamente o meu sucesso, preciso de você para continuar. Mais, mais, mais.

I fucked my way up to the top
This is my show
I fucked my way up to the top
Go, baby, go
Go, go, go, go, go
This is my show
Go, go, go, go, go
This is my show

Lana, este é o seu show. Você é um exemplo de superação e de perseverança. Me ensinou a nunca desistir dos meus sonhos. Espero que você continue sendo essa brilhante artista por muitos e muitos anos.

Por Wesley Lima

E para vocês, qual o significado por trás de “Fucked My Way Up to the Top”? Deixe nos comentários!

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
  • RaphaellaPaiva

    Wes, adorei sua análise, foi extremamente consistente. Podemos todos estar errados, mas que isso deve se aproximar da verdade, ah se aproxima kkkkkkk

  • Rafa Capoci

    E ainda tem gente que fala que ela não é critica. Sabem de nada u-u

  • Caio Pereira Lima

    Ótima análise, essa música só mostra o quão suja e hipócrita é a indústria musical.

  • https://twitter.com/1sSheWeird Andressa Magalhães

    Adorei a análise ! engraçado que eu sempre achei que era o contrário nessa música, que era a Lizzy cantando pra Lana, revoltadíssima porque a “Lana” apenas pegou o que a Lizzy era e deu uma glamourizada (isso na visão da Lizzy)

  • José Fabricio

    Gostei, mas ainda tem mt coisa obscura por ai k

  • João Pedro

    No trecho “need you baby, more more more more” ela n poderia estar se referindo à fama, por já estar completamente envolvida por ela?

    • http://instagram.com/senhor_radio Raphael Maitam

      Pra mim é a melhor explicação também

  • Lourenço

    Amei essa ANÁLISE Wesley pra mim foi uma das Maiores e Brilhantes da Lana sem Falar na Faixa que é Maravilhosa

  • Mônica Oliveira

    Primeiro: Ela ja disse em entrevista que Lizzy/Lana nunca foram “duas pessoas diferentes” pra ela, sao a mesma “pessoa”. Segundo fucked nao é sobre “arruinar” é dar pra produtores kkkk plmdds gnt!! Ela tbm ja falou em entrevista “Todos sabem que eu dormi com muitos produtores” so brasileiro que talvez enxergue o “fucked” como “arruinou” aqui todo mundo entende como “fodeu = sexo”. Mas legal ver por outro lado.

TOPO