TEXTOS | Lolita

por / quarta-feira, 04 dezembro 2013 / Publicado emColunas, Textos

lolitta

“Hey, lolita, hey. Hey, lolita, hey. I know what the boys want, I’m not gonna play”.

Ela era dele. Toda, completa e unicamente dele.

Ela não se importava com os garotos da sua idade a chamando para sair, ela não se importava em fazer fachada para uma sociedade mesquinha e cheia de “ele disse, ela disse”. Ela queria se divertir e continuar sendo do seu velho e bom homem.

Ela o amava, afinal. Assim como amava aparecer escondida em sua casa na penumbra da noite, escapulir para seu jardim escuro e beijá-lo e tê-lo em suas mãos enquanto o fazia seu.

E ele dizia que a amava por completo também – que amava sua bagunça, seus longos cabelos, seu bronzeado, seu vestido curto e seus pés descalços. Ele dizia que ela era tudo para ele e que ela ainda seria sua ruína.

E, na verdade, ela adoraria derrubá-lo de seus quarenta andares.

Eles eram errados, eram únicos e totalmente enclausurados em uma paixão dilacerante que tomava cada fibra de seus seres e os consumia como uma pólvora de um revólver após acertar alguém.

Ela era sua menina e não se importava com o que os outros diziam. Seus pais a proibiam, suas amigas a criticavam, mas isso só fazia os garotos a quererem mais. E ela amava provocá-los com um sorriso nos lábios ao chamá-los com seu indicador em sua direção – e, então, maliciosamente e contendo uma satisfação quase diabólica que sempre a tomava, ela os derrubava como dominós e se divertia a cada jogada.

E depois ia ver seu homem. Seu amor vinte anos mais velho. Foda-se o tempo, afinal – ela sabia que aquilo era a-m-o-r e nada poderia os separar.

Ela o amava. E isso bastava.

“Just you and me feeling the heat even when the sun goes down”

Texto inspirado em Lolita, por Raphaella Paiva

Clique aqui e confira a letra e tradução da canção.

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
Tagged under: ,
TOPO