TEXTOS | Dark Paradise

por / terça-feira, 13 agosto 2013 / Publicado emColunas, Textos

dark-paradise

“Quando você se foi, por que não me levou junto? Você também poderia ter levado as lembranças junto…

Estava sentada sozinha e nossa música ficava repetindo sem parar; não sabia dizer se era no rádio ou na minha cabeça.

Você foi tão egoísta! A gente era muito feliz, não era?

Tudo parecia colorido e parecia que nada conseguiria nos separar.

Então você se foi. E tudo ficou tão escuro, perdido e confuso…

Eu tentei seguir em frente, eu juro. Só que é impossível, você foi a melhor coisa que aconteceu para mim, e agora estou presa no vazio que ficou dentro de mim, esse buranco que eu não consigo preencher com nada: nem com festas, com bebidas, com outras pessoas…

Não me canso de te procurar em todos os lugares, mesmo sabendo que nunca vou te encontrar. E toda vez que olho para alguém, eu só vejo você…

Ainda consigo escutar sua voz suave e cansada dizendo que tudo estava bem, que tudo ia dar certo. E eu te olhava e nem sabia se isso era verdade, mas com você, não importava se tudo estava bem ou não. Você estava aqui. E Não está mais.

Escondi nossas fotos, o que não importa já que eu não esqueço nenhum detalhe seu, são todos vivos como machucados novos em minha mente: como você mordia o lábio inferior quando estava pensando, o seu cabelo eternamente bagunçado, a cicatriz no seu pulso que você odiava (como quase tudo em você)… Enfim, cada detalhe minucioso, do seu corpo, do seu rosto, das suas manias, suas frustrações, seus sonhos, e tudo que tinha relação com você.

As lágrimas escorriam sem parar, eu simplesmente não queria aceitar que você nunca mais poderia voltar.

Por que as memórias simplesmente não se apagam? Uma vez li que a memória “geralmente é mais uma maldição do que uma benção”, eu achei meio bobo quando li pela primeira vez, afinal, não queremos nos lembrar das coisas boas? Porém, agora que cada pedaço do meu corpo dói, não só o meu coração, por causa de saudade; agora que é um suplício me levantar de manhã, porque não vou ler mensagens suas, nem ver seu rosto adormecido; agora que eu tenho que ficar pensando em todas as coisas que nós planejamos e não pudemos cumprir, todos nossos sonhos que pretendíamos realizar juntos…Eu vejo o quanto essa frase faz sentido.

Quantos filmes que eu amava tive que parar de assistir porque me lembravam você? Quantas músicas parei de ouvir por causa de você, já que você amava ou odiava todas as que eu conhecia? Tudo me lembra você.

Às vezes sonho com você, e tudo é tão real, os seus dedos passando suavemente pelo meu rosto, o seu sorriso levemente torto de vergonha…Então eu acordo amarga, chorando (como de costume), e grito de raiva, surro o travesseiro, deito no chão, e penso em desistir. De tudo. Eu conseguiria, sabe? Desistir de tudo, só não consigo desistir de você. Eu tentei, eu tentei com todas as minhas forças…E estou tão fraca, tão vulnerável, com medo do que está me esperando, porque você não está aqui para me segurar, para apertar a minha mão quando fecho os olhos de medo e beijar a minha testa.

Eu não pude me despedir, o que não importa, já que se eu tivesse a chance, eu me recusaria a dar adeus para a melhor coisa que já aconteceu na minha vida. É tão injusto ter tudo em suas mãos e de repente, tudo ser tirado e você ficar sem nada, não é?

Meus pensamentos estão nebulosos, olha como estou sem você? Tento mostrar que sou forte, que está tudo bem (era o que você gostaria de ver), e acho que para os outros, é quase verdadeira a minha interpretação. E se eu fosse até onde você está?

A vida está tão preta e branca; e se eu simplesmente sonhasse para sempre, e finalmente ficasse com você? E então, tudo que estou passando seria uma memória, e você seria realidade…”

Texto inspirado em Dark Paradise, por Yeda Salomão

Clique aqui e confira a letra e tradução da canção.

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
Tagged under: ,
TOPO