‘Eu canto para mim mesma e para ninguém mais’, site Nowness publica uma entrevista com Lana Del Rey. Confira a tradução

por / quarta-feira, 04 abril 2012 / Publicado emEntrevistas

Nowness

Lana Del Rey x Blood Orange

Um remix exclusivo e uma audaciosa conversa com a estrela ofegante que está na boca de todos

A saudosa ‘Blue Jeans‘ da irreprimível cantora Lana Del Rey ganhou uma roupagem minimalista inspirada nos anos 80 pelo enigmático músico e produtor do Brooklyn, Blood Orange, também conhecido por Dev Hynes. Aparecendo no ano passado com o sensual e épico single “Video Games”, Del Rey ganhou rapidamente sucesso de crítica e comercial com suas canções diversamente inspiradas e seu visual calmo e americano. A nativa de Lake Placid, Nova Iorque, debutou seu álbum Born To Die no topo dos charts internacionalmente como parte de uma meteórica ascensão à fama que tem feito a sensação de 25 anos ser capa de revistas como a Vogue britânica, Interview, Wonderland e The New York Times T Magazine. “Eu não quis me comprometer liricamente ou sonoramente, eu comecei a reviver minhas memórias através da música e isso me fez feliz.” explica Del Rey. “Eu vi bons escritores se venderem e trocarem sua integridade artística por execuções na rádio e no fim, eles só acabam querendo se matar. Eu canto para mim mesma e para ninguém mais“. Lançada como single na próxima semana, “Blue Jeans” foi escrita em Santa Monica, no chalé do compositor Dan Health, com Del Rey compondo livremente sobre uma progressão de cordas que acabaria culminando numa faixa com refrões assombrosos. Aqui a estrela com olhar doce e beicinho revela seu amor pela vida rápida na estrada.

Jeans azuis ou meias soquete?
Diamantes.

Segunda mão ou vintage?
Vintage.

Jogos de tabuleiro ou vídeo games?
Parques de diversão.

Você prefere ter amado e perdido ou nunca ter amado?
Quando eu era jovem, eu teria dito que preferiria ter amado e perdido. Agora sou mais sábia.

Noite fora ou dentro de casa?
Fora, dirigindo por LA.

Fazendo isso pelo amor ou pelo inferno dele?
Pelo inferno dele.

Pervertidamente glamouroso ou glamouroso sem esforço?
Pervertidamente.

Kurt Cobain ou Leonard Cohen?
Ambos. E Jim Morrison.

Ilustração de Jeanne Detallante, 2012

 

Por Nowness
Tradução por Guilherme H. Lewer Hagler e Mateus Santana

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
Tagged under: ,
TOPO