‘É difícil quando você vê um monte de coisas escritas sobre você. Não era o que eu tinha em mente’, confira a entrevista concedida à revista Complex

por / sexta-feira, 07 outubro 2011 / Publicado emEntrevistas

europapress

Entrevista: Lana Del Rey Fala Sobre Sua Repercussão, Cirurgia Plástica e o Novo Álbum

 

Desde que seus apaixonantes singles “Video Games” e “Blue Jeans” deixaram Lana Del Rey na mira dos burburinhos no verão passado, jornalistas do mundo da música têm feito grandes esforços para tentar entendê-la — com resultados inconclusivos. Lana surgiu com uma estética DIY [Faça Você Mesmo], então surpreendeu todo mundo quando foi revelado que ela tinha o apoio de uma grande gravadora na Interscope. Alguns a amam porque sua música é incrível. Alguns a odeiam porque eles acham que ela é fabricada, como um Cavalo de Tróia posto em cena.

Se você pedir Lana para descrever a si mesma, ou descrever seu propósito, ela não ajuda muito também. “Eu não tenho muito a dizer!” ela proclama pelo telefone, enquanto sai do metrô em Nova York. Para uma garota com uma imagem que parece tão habilmente calculada, é difícil dizer se ela está sendo sincera, ou se sua modéstia é tudo parte da cena.

E realmente é essa cena, sua inclinação ao cinema da antiga Hollywood, moda de matar e contos dramáticos de coração partido, que nós já memorizamos. Nós nos preocupamos com ela, tanto quanto, se não mais, que com seus álbuns. De onde veio essa garota e por que é tão divertido observá-la? Lana Del Rey finalmente se abre com a Complex, falando desde a autenticidade de seus polêmicos lábios, até seu álbum de estreia, provisoriamente intitulado Born To Die.

 

Ernest Baker: Você se mudou de Lake Placid pra Nova York sete anos atrás na busca de uma carreira na música. Agora você tem uma. Como isso aconteceu?
Lana Del Rey: Apenas indo a noites de apresentações livres e coisas do tipo. Maioria no Brooklyn. Era um cenário folk. Quando eu tinha 19 anos, eu assinei com uma gravadora independente. Eu era a única na lista deles, e então esse álbum foi arquivado. Depois disso, eu ainda queria cantar, mas eu comecei a me focar em ser um membro ativo da minha comunidade. Foi só nos últimos três meses que eu tive toda essa atenção.

Você realmente surgiu do nada. Você teve um relacionamento com alguém da Interscope antes de ganhar popularidade esse verão?
Não, eu nunca conheci ninguém com essa capacidade. Eu fui de gravadora em gravadora em Londres um ano e meio atrás e mostrei a eles minhas músicas, mas ninguém se interessou. Eu não conhecia nenhuma das pessoas com quem assinei agora. Eu conheço várias pessoas que ficam se perguntando sobre o contrato. [Risos]

Sim, quando eu ouvi “Video Games” pela primeira vez em Julho, sua gravadora foi mencionada.
Bem, eu escrevi essa canção alguns meses atrás com um compositor chamado Justin Parker. Eu contratei um publicitário algumas semanas atrás. Eu assinei meu contrato algumas semanas atrás. Eu tive um agente muito trabalhador pelos últimos dois anos. Em termos de assistência, eu não tive nada além de OK. É melhor quando se tem ajuda.

Nenhuma ajuda em seus vídeos? A edição é ótima.
Não, eu aprendi e editei todos aqueles clipes eu mesma. Nas últimas quatro semanas, eu tive que contratar especialistas em direitos autorais para chegar até as pessoas pra pedir a aprovação por aqueles clipes, mas eu os encontrei dez meses atrás ao procurar com palavras-chave no YouTube. Não é como se os vídeos fossem tão bons assim. Eu preferiria que eles não estivessem publicados, de qualquer maneira. Eles são esquisitos pra caralho. Não é como se eu quisesse que os vídeos ficassem daquele jeito; é só o que eu estava trabalhando com o tempo que tinha. Eu não tenho certeza se é a representação perfeita do que eu teria escolhido se eu tivesse mais dinheiro [Risos]

Bem, funcionou pra você.
É, você acharia isso, mas definitivamente há uma repercussão nisso, que eu estou começando a ver agora. Mas tudo bem.

Sempre que eu falo com alguém que está tendo muita repercussão, é sempre “Tanto faz” ou “Deixe os haters odiarem”.
Eu não me sinto assim. Não sou tão legal assim. Eu me sinto como se quisesse matar todos eles. É triste.

O que te incomoda sobre as críticas?
Eu só não estou interessada nisso. A música é secundária pra mim. Eu gostaria de poder voltar ao normal. Eu sou uma pessoa muito quieta. Sempre fui. É difícil quando você vê um monte de coisas escritas sobre você. Não era o que eu tinha em mente.

Sim, há muita especulação sobre seus lábios.
Eu não vou dizer que isso não tem sido um maldito problema. Eu não assinei contrato pra ser famosa, eu só queria cantar. É tão irritante, mas o que eu posso fazer?

Seus lábios são naturais?
Eu nunca fiz nada com eles. Qualquer um que me conheça dirá isso. Sinto muito, mas eu estava morando em um parque de traileres alguns anos atrás. Eu mal tinha dinheiro pra comprar cereal. Não é como se eu tivesse mendigado debaixo de uma ponte e feito a cirurgia. Eu tenho lábios meio extravagantes. [Risos] É assim que eu aparento quando canto.

No que mais sua vida mudou desde que sua música deslanchou?
Tem sido uma agitação, trabalhando com vários produtores diferentes e tentando encontrar o som pro álbum certo. Eu tenho quatro músicas que eu acho que, musicalmente, são muito boas. O álbum está escrito, mas não produzido. Eu ainda não coloquei nada nos eixos. Eu ainda estou vivendo entre um milhão de lugares diferentes. Mas é bom não estar tentando sobreviver nas ruas. [Risos] Isso é bom. Estou grata por estar segura e não em alguma região perigosa.

Quais são esses milhões de lugares diferentes?
Eu estive meio que morando em Londres no último ano e meio. Eu comecei a ir lá pra trabalhar com diferentes produtores. Eu nunca esperei acabar morando lá, mas eu estive passando muito tempo na cidade. Eu vou pra Glasgow na Escócia e vejo meus amigos. Isso é muito divertido, mas têm várias outras coisas. Minha vida não tem sido sobre música há um bom tempo. Há um lado diferente da minha vida e eu não falo sobre isso.

Então, você tem 25 anos? É o que mais há lá fora.
Sim, tenho 25.

Quando você faz 26?
21 de Junho.

Quem foi a pessoa que partiu seu coração?
As músicas são sobre duas pessoas com as quais não pude continuar porque elas se meteram em encrenca e tiveram que partir. Quando você é alguém introvertido como eu e esteve solitário por um tempo, e então encontra uma pessoa que lhe entende, você se torna muito ligada a ela. É a verdadeira libertação.

Eu vi você dizer coisas no Twitter, como “Eu ainda penso em você”. Você sente como se devesse estar com um deles?
Não. Nesse caso em particular, eu sei que não devia estar com essa pessoa, mas eu ainda me sinto solitária. É tão difícil estar sozinha. Eu acho que você sabe em algum lugar na sua mente quando você encontra alguém que poderia ser a pessoa certa. Eu acho que você sabe. É raro.

Parece que você usa seu sex appeal retrô intencionalmente.
A maioria das músicas é sobre corações partidos, mas talvez os vídeos e as imagens tenham adicionado essa perspectiva. Eles são bem sedutores, não são? [Risos] Eu me divirto com todos eles, mas música e tirar fotos não são as únicas coisas que eu tenho. Elas são divertidas, mas não são importantes pra mim. A coisa mais importante, obviamente, é o álbum. Eu só espero que eu possa criar aquele mundo sônico que eu tenho em mente.

Com quem você está trabalhando?
Meu melhor amigo, que é compositor de trilhas sonoras na Califórnia. Ele tem trabalhado com [o produtor do Kanye West], Jeff Bhasher e [o produtor do Kid Cudi] Emile Haynie, que estão mais no mundo hip-hop, e nós estamos criando uma coisa muito boa. Eu não acho que será um caminho fácil, mas pra mim, o importante serão as canções.

As pessoas têm altas expectativas pro seu álbum. Você está sentindo a pressão?
Eu não me sinto pressionada, mas eu me sinto nervosa. Não estou acostumada a ter várias pessoas ouvindo minha música. Quando você não tem muitas pessoas escutando sua música por um bom tempo, você começa a fazer isso pra si mesmo e isso tira a pressão. Eu realmente gosto do álbum. Claro que eu espero que as pessoas gostem dele, porque eu não quero lidar com nenhum drama.

 

Por Ernest Baker
Traduzido por Raphaella Paiva

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
TOPO