“Eu estou tentando ser uma boa pessoa. Mas, de alguma forma, eu pareço atrair pessoas loucas. Por conta disso sempre tenho problemas”, confira o artigo publicado pela revista alemã Fräulein

por / domingo, 24 abril 2011 / Publicado emEntrevistas

11002551_827514880653200_749215894_o

Quando Lana Del Rey se tornou conhecida – Mas não conhecia ninguém…

Na quarta edição da Fräulein, na primavera de 2011, nós fomos a primeira revista alemã a escrever sobre Lana Del Rey, e ficamos ainda mais alegres quando, um ano depois, Lana se tornou uma superstar. Para relembrar, aqui vai o artigo, então:

Lana Del Rey é a surpresa musical do verão. Depois de a autodenominada Nancy Sinatra postar alguns vídeos no YouTube, a internet estava a seus pés.

O cenário musical logo se voltou para a cantora nova iorquina Lana Del Rey quando ela postou algumas canções no YouTube. Os ingressos para seus shows se esgotaram em dez minutos. Canções auto-escritas, uma voz poderosa e maravilhosos clipes caseiros contendo cenas de viagem, uma celebridade bêbada e a própria Lana: belíssima, com grandes lábios e longas unhas artificiais. Um pouco de retrô chique sob a ótica de um trailer. Seria Lana Del Rey uma obra de arte?

Supostamente, a própria Lana teria crescido num trailer. Um jornalista especulou que ela teria deliberadamente injetado algo nos lábios para parecer mais “whitetrash”. Em sua página do Facebook, há uma citação de Coco Chanel: “Se você quer ser insubstituível, você tem que ser diferente”. Não  importa se sua aparência é parte de uma campanha publicitária ou não: tudo parece em seu devido lugar. Quando perguntada se ela teve de mudar seu estilo para as gravadoras, ela respondeu: “Minha roupa e minha música foram desinteressantes para essas pessoas. Elas tinham mais interesse em saber se eu iria para a cama com elas.

Photo_Video_Gam_300CMYK-4_20120125_100430-660x572

Quem é ela agora? Lana Del Rey ou Lizzy Grant, seu verdadeiro nome? “Este é apenas outro nome, mas eu ainda sou a mesma pessoa. Eu queria um nome que se encaixasse mais com a música, que fosse fascinante”. Lana Del Rey é perfeccionista. E, considerando a sua lista de ídolos musicais, não poderia ser diferente: Nina Simone, Elvis Presley, Bob Dylan, Allen Ginsberg, Kurt Cobain, Antony and the Johnsons. “Hey, essa lista não foi montada por empresários!”, diz ela com energia, ela que até então falava com doçura. “Eu adoro esses artistas”.

Aquela história do trailer é verdadeira? “Sim, eu vivi em um trailer por alguns anos. Eu fiz bons amigos lá que até hoje são meus amigos.”

Lana cresceu na pequena cidade de Lake Placid, a três horas de carro de Nova Iorque. Ela é a mais velha de três filhos. Aos onze anos, liderava o coral da igreja e, quando perguntada por um jornalista se Deus estaria de acordo com suas letras, se viu obrigada a feri-lo com seu sarcasmo: “Deus salvou a minha vida em muitas situações, portanto Ele deve ter consentimento com o que eu escrevo.” Depois de ter dito isso, ela ri e acrescenta: “Eu estou tentando ser uma boa pessoa. Mas, de alguma forma, eu pareço atrair pessoas loucas. Por conta disso sempre tenho problemas”.

Quais  são esses problemas ela não quis revelar, mas a vida em Nova Iorque foi difícil. Em uma canção ela canta: “Talvez eu goste dessa montanha-russa, talvez ela me deixe alta”. Se ela precisa esses altos e baixos? Após hesitar um pouco, ela respondeu: “Não, eu não preciso de nada. Honestamente, eu não aguento mais. Eu sou uma combinação muito simples de várias coisas”. Recentemente Lana Del Rey tem oscilado de Londres pra Nova Iorque. Como será que ela lida com o amor? “Uma vez eu encontrei o grande amor, daí eu o perdi. Em seguida, eu o encontrei novamente, e mais uma vez o perdi. É estranho, porque você sempre pode se apaixonar”. Com as sobrancelhas franzidas, ela acrescenta: “Eu acho que dever ter alguma coisa a ver com o DNA”

lana-del-rey-foto-jane-stockdale-fraeulein-magazin-00Novamente ela fez a rápida mudança do kitsch para o sarcasmo. E antes que você possa criar alguma impressão sobre ela, Lana se descreve como “uma Nancy Sinatra gangster” e sua música como “Hollywood Pop”. “Se eu não tivesse plena certeza que eu posso cantar, eu estaria fazendo alguma outra coisa”, diz.  Enquanto isso, as coisas já correm muito bem para a cantora de 24 anos, embora seu grandioso álbum só seja lançado no começo do próximo ano. Como seu ídolo, Bob Dylan, ela diz: “Tudo o que posso fazer é ser eu mesma”. Seja lá quem eu for.”

 

Por Fräulein Magazine

Tradução por  Max Lima

 

 

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
  • Guest

    E ainda acreditaram que ela ia mesmo lançar Honeymoon em Agosto. Hahahaha rindo aqui. :'(

    • Gabrielle Almada

      A entrevista é de 2011

  • cruel world

    E ainda acreditaram que ela ia lançar Honeymoon em Agosto HAHAHAHAHAHA. Fui trouxa também. :'(

    • Gabrielle Almada

      É de 2011

  • Rafa Capoci

    “Uma vez eu encontrei o grande amor, daí eu o perdi. Em seguida, eu o encontrei novamente, e mais uma vez o perdi. É estranho, porque você sempre pode se apaixonar” Essa molier me descreve <3

  • Gabrielle Almada

    Gente, essa entrevista é antiga, é de 2011.

TOPO