‘Se você pensa que a música é algo em que você quer construir uma vida, bem, apenas faça. Só não pare’, confira a entrevista concedida ao site Knocks From Underground

por / segunda-feira, 09 fevereiro 2009 / Publicado emEntrevistas

Knocks

Lizzy Grant sobre composições, Surf Noir, e mágica

O quarto dos fundos da Arlene’s Grocery estava cheio, na zona baixa do leste, embalando cerca de 60 pessoas. Quatro outras bandas tocaram na noite com neve de terça-feira, dividindo um projeto intitulado como “No Pulp Music”, com uma capa de 8 dólares.

Se você estiver procurando por bater sua cabeça e perder parcialmente sua audição devido a acordes altos e decibéis de guitarra enquanto tem alucinações sob efeito de bons produtos químicos, este show não foi pra você. Em uma performance de Lizzy Grant, espere por uma presença de palco de um show de Las Vegas, com uma perfeita vocalista feminina cantando. Ela mal parece ser maior de idade, mas canta como uma mulher experiente, tanto na voz quanto nas letras. Lizzy, com cerca de 1,67, com cabelo loiro platinado, vestida com um top de lantejoulas vermelhas, calças pretas e unhas com bandeiras americanas pintadas em cada uma delas. Ela apresentou sete canções originais, incluindo “Queen of the Gas Station” e “Trash Magic”, a maioria se tratando de homens de negócio, ir a lugares questionáveis e ter relacionamentos disfuncionais. Quando a perguntei sobre sua interpretação, ela disse, “Todas são canções de amor.”

Lizzy foi apoiada por uma banda de quatro peças, incluindo o baterista Doug Yowell (anteriormente com Duncan Sheik e Susanne Vega), Eric Paparazzi nos teclados (anteriormente com Cat Power), o guitarrista Julian Maylee, e o baixista Jeff Allen. A banda que vem tocando em conjunto com Lizzy pelos últimos seis meses, já demonstrando um som bem ensaiado. Apenas alguns meses depois de lançar seu EP pela Five Points, Lizzy Grant foi votada como uma das 10 melhores novos artistas do ano pelo iTunes. Seu novo CD, produzido por David Kahne que produziu previamente artistas impressionantes, como Sublime e Paul McCartney, vai ser lançado em Maio de 2009, seguido por uma tour em 30 cidades.

lg

Q&A (Pergunta e respostas)

De onde você é?
Lizzy Grant: Todos os lugares.

Não, sério.
Não, sério, todos os lugares. Eu vivi em Lake Placid, Nova York, Birmingham Alabama, Coney Island e Nova York.

Me conte sobre seu crescimento? Como era a vida antes de vir para Nova York?
Hmm. Crescer foi só esperar para vir para Nova York.

(Lizzy pediu para não falar sobre sua vida antes de Nova York, nada mais do que de uma maneira geral. Ela revelou que foi criada em Lake Placid e enviada para um internato quando tinha 15 anos, e nunca mais voltou, somente para visitar seu pai, sua mãe, e seu irmão menor, que ainda vive lá.)

Tudo bem, sem perguntas sobre sua vida anterior a Nova York. Qual é sua cor favorita? Ou você prefere não falar sobre isso?
Eu gosto de azul. Eu gosto de dourado. (risos)

Você tem contrato com a Five Points Records. Como você o conseguiu?
Eu entrei em uma competição de composições no Brooklyn, minha primeira e quase única competição. E Van Wilson era um jurado de lá.

Quem é Van Wilson?
Van é o pesquisador de talentos da Five Points Records. Ele era um jurado na minha noite e me pediu pra ligar, então liguei imediatamente.

O que você e Van falaram no telefone?
Eu estava… (pausa). Eu me senti desesperada. Tinha muitas perguntas. Eu não sabia como perguntá-las. Eu não sabia o que ele tinha feito? Eu só sabia que ele era da indústria musical e eu nunca conheci ninguém que disse que estava na “indústria” musical. Então eu pensei, você sabe, quando você encontra alguém que fala com você, você apenas pergunta qualquer coisa a eles. Então eu o perguntei tudo. Eu perguntei, você acha que eu sei cantar? Você acha que eu devo cantar? Você acha que é estupido querer ser uma cantora e ele disse, pra você, não! Não pra você. Para a maioria das pessoas eu não acho que seja uma boa vida, mas eu acredito que você possa ter um público. Eu o perguntei, como eu faço isso? E ele disse, apenas toque, apenas toque e cante.

Então você conheceu o cara e conseguiu o telefone na primeira tentativa.
Sim.

Isso é quase o sonho, não é? Quer dizer, eu não sei, mas ouço que tem vários loucos por ai? Vários mentirosos que talvez digam o que são o que não são…
É verdade.

Você só ouve isso em filmes.
É verdade. Eu tenho que deixar esse momento na minha cabeça, para quando as coisas estiverem difíceis.

Você ganhou o concurso?
Eu ganhei a minha rodada. Não ganhei a coisa toda. A competição de compositores foi ótima para minhas relações públicas.

Como você caracteriza sua música?
Bem, eu digo que está no gênero Surf Noir. Um dos primeiros produtores com quem trabalhei, Steve Saint, aprendeu muito com Dick Dale (pai da musica surf, pré-Beach Boys) então no início a música era influenciada por alguns sons do Havaí e guitarras surf, então é daí que o surf vem. E o noir vem, eu gosto de filmes antigos e eu só escuto músicas antigas porque são boas. É, elas soam bem.

Que tipo de música você escuta? Quem você escuta?
Eu gosto do The Flamingos e eu gosto de Elvis. Sinto como se eles fossem meus contemporâneos. Eles são meus amigos. Eu gosto dos The Beach Boys.

Quem você escutou hoje?
Eu escutei Elvis, the Flamingos e eu mesma. Eu gosto de mim mesma também. (risos)

Quantas musicas você escreveu?
Hum… Cem. Cem músicas boas.

O que você diria a alguém que quer se tornar um cantor? Quer dizer, suas condições são extraordinárias.
Sim, sim, não é sempre que funciona dessa maneira. Com isso dito, eu acho que você deve perguntar a si mesmo se é bom. Ou você tem que ser alguém que é muito bom ou alguém que pode ser melhor que todos em volta. Ou se você pensa que a música é algo em que você quer construir uma vida, bem, apenas faça. Só não pare.

Arrependimentos?
Provavelmente. Mas todas as pessoas legais dizem que não tem arrependimentos.

O que você não gosta no ramo musical?
Eu gostaria de sentir como se soubesse o que estava fazendo.

Eu ouvi que você não tem um empresário no momento? Podemos falar sobre isso?
Sim, nós podemos, eu só não tenho certeza do que vou dizer. Seria divertido ter alguém que poderia estalar os dedos e fazer algo acontecer. Especialmente desde que nós temos tido uma boa mágica com o projeto, e parece que sempre que algum cara, principalmente com uma grande peruca se envolve coisas boas acontecem. Eu sinto que se eu tivesse um novo empresário eu teria novos projetos. Eu fico um pouco entediada mas eu me divirto fazendo meus próprios filmes e escrevendo.

Filmes?
Eu tenho pequenos filmes.

As coisas do youtube. Você faz aquilo?
Eu faço.

Me conte sobre suas músicas. Me conte sobre Mermaid Motel.
Eu escrevi “Mermaid Motel” porque eu estava muito feliz. Eu estava em êxtase. Eu escrevi três musicas esmagadoras, na minha opinião. Eu escrevi “Queen of the Gas Station” “Jump” e “Put Me In a Movie” em uma semana. e é assim que acontece. Eu tenho que esperar tanto tempo, nunca sei quanto tempo, podem ser anos (para ter inspiração), mas eu sei exatamente quando tenho uma música, e vem tudo de uma vez. Não demoro muito para escrever. Vem com a melodia. Vem com as harmonias e eu tenho que levar o tempo que for naquele dia, porque senão vai embora.

Mais alguma coisa sobre suas músicas que deseja falar, qualquer coisa que te inspira, ou qualquer história que você queira contar sobre qualquer uma das suas músicas?
Eu não sei, existem certos elementos visuais que parecem sempre aparecer, como coisas que são de ouro, Vegas, rapazes bonitos ou motocicletas.

Quer dizer, coisas que aparecem em suas músicas? É onde sua cabeça está?
Eu não sei. Deve ser, porque elas reaparecem. … Eu não me canso delas (risos).

Após o show, eu falei com Doug Yowell da banda. Eu perguntei o que ele achava sobre a carreira de Lizzy Grant e ele disse, “Lizzy tem o fator X”. Ele explicou que sua voz e sua presença de palco têm uma qualidade de astro. Ele disse que ela confiou nas pessoas ao seu redor, para guiá-la e prepará-la para a “oportunidade inevitável.”

Confira a força dessa talentosa e bonita cantora / compositora em seu próximo show de Nova York, 17  fev no Pianos.

 

Por Michael Mizrahi
Tradução por Kassia Lasarino

Redação LDRA
Down on the west coast. They got a saying...
TOPO